Vendas a prazo na Páscoa têm alta de 1,29%

Leia em 2min 30s

As vendas a prazo relacionadas ao período da Páscoa avançaram 1,29% este ano, na comparação com a data em 2018, segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O aumento tímido reverte a retração do ano passado, mas ainda segue distante de recuperar as perdas acumuladas desde 2011.

 

Os dados, que foram levantados em parceria da entidade com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), compilou compras realizadas entre os dias 14 e 20 de abril e aponta que em 2018 as vendas haviam recuado 0,34%, após crescer 3,34% em 2017. Já entre os anos de 2015 e 2016, as vendas no período acumularam queda de -2,24% e -13,34%, respectivamente.

 

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a alta deste ano é um sinal positivo para a retomada do crescimento do varejo , mas é pouco para sustentar um incremento mais robusto do setor neste ano. “O resultado é um alento para o varejo, mas não basta para retornarmos ao patamar de crescimento anterior a recessão. A páscoa representa a primeira grande festa do ano para o comércio e pode funcionar como uma prévia não só para o Dia das Mães, como para o desempenho da atividade comercial ao longo deste ano”, afirma Pellizzaro Junior.

 

Neste ano, segundo um levantamento do SPC Brasil e da CNDL, os produtos mais procurados para a Páscoa seriam os tradicionais ovos de chocolates industrializados (61%), caixas de bombons (50%), ovos de páscoa artesanais e caseiros (38%), barras de chocolate industrializadas (33%) e artesanais (25%), colombas pascoais (13%) e bebidas, como vinho (13%). A expectativa dos lojistas era fortalecer o volume de vendas, para o caso de cair o tíquete médio do consumidor para a data.

 

Ovos caseiros e promoções

 

Na avaliação do consultor em varejo Giovanni Lontra, uma das explicações para esse comportamento tímido do brasileiro nas compras está relacionada a uma mudança do comportamento do consumidor, tanto no que diz respeito a compra de produtos artesanais, quanto a compra de ovos antes do período analisado pela CNDL e Boa Vista.

 

“Geralmente quem faz ovo em casa para revender não aceita crédito, e como há um movimento forte do brasileiro de desviar de itens industrializados, há grandes chances de que esse mercado ‘informal’ tenha apresentado incremento neste ano”, avalia ele.

 

Outro hábito trazido na crise e que também deve ter sido utilizado na compra dos produtos relacionados à Páscoa, para além do chocolate, é a busca por promoções.

 

“O brasileiro aprendeu na crise, e na Black Friday, a comprar com antecedência. Com a Páscoa caindo em março, boa parte dos clientes tiveram fevereiro inteiro para encontrar boas oportunidades, principalmente nos atacarejos, tanto para o almoço quanto para os presentes”, disse ele.

 

Para o dia das mães, a tendência é que o brasileiro siga cauteloso, evitando compras a prazo, mas não descartando gastar mais caso haja promoção. “O varejista precisa fisgar o consumior muito antes da data comemorativa, está é uma das principais mudanças no hábito de compras que a era digital proporcionou”, diz.

 

Fonte: DCI

 

 


Veja também

Preço do tomate aumenta quase 30% no último mês na Grande Belém, aponta Dieese

O tomate comercializado na Grande Belém teve uma alta de quase 30% no mês de março, segundo pesquisa...

Veja mais
Faturamento do setor de atacado e distribuição cresce 0,8% em 2018, diz Abad

O faturamento do setor de atacado e distribuição cresceu 0,8% em 2018 sobre um ano antes, indo a R$ 261,8 ...

Veja mais
Conectados e abertos às inovações, Centennials mudam a maneira como os lares consomem

Nascidos após 1997, quando a internet já era realidade e a economia caminhava para a recuperaç&atil...

Veja mais
Abrasel e Sebrae preparam acervo digital de boas práticas de gestão e operação

Imagine a possibilidade de um gestor de bar ou restaurante fazer cursos, ler conteúdos especializados e conferir ...

Veja mais
Agronegócio em MT vai gerar R$ 90 bi este ano, prevê Ministério da Agricultura

A produção agropecuária em Mato Grosso deverá movimentar R$ 90,3 bilhões, o valor &ea...

Veja mais
Por ataque de pragas e doenças, quilo do tomate fica 71% mais caro em MT, diz IBGE

De acordo com um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o preço d...

Veja mais
Preço do tomate dispara no país e pode atingir valores históricos em abril

Os preços do tomate estão em disparada. Em março, pelo segundo mês consecutivo, o custo m&eac...

Veja mais
Com bacalhau mais caro, peixe nacional se torna opção para Páscoa

Além da típica alta de preços nos dias anteriores ao feriado da Páscoa, o consumidor deve se...

Veja mais
Maior movimentação e alta da carne bovina no varejo

O movimento dentro dos açougues e supermercados melhorou. Na última semana, os preços da carne bovi...

Veja mais