Participação de exportações no PIB brasileiro supera apenas 10 países

Leia em 3min

Peso das vendas para estrangeiros na atividade econômica continua baixo; para especialista, é necessário melhorar infraestrutura e alterar sistema tributário para incentivar embarques do País

 


 
São Paulo - A participação das exportações no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 13% em 2015. Segundo levantamento do DCI com dados do Banco Mundial, o País ficou à frente de apenas 10 nações e foi superado por mais de cem.
 
Foi o nono ano consecutivo em que as vendas para o exterior não representaram 15% da atividade econômica - em 2006, o valor chegou a 15,2%. Na comparação com 2014, entretanto, houve aumento de 1,8 ponto percentual (p.p.).
 
O tamanho do mercado interno brasileiro seria um dos principais motivos para a colocação ruim do País. "Como a demanda local costuma ser muito elevada, muitas empresas não sentem a necessidade de buscar outros compradores", disse o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.
 
O especialista também criticou os altos custos para produtores nacionais, que também impediriam uma performance melhor dos exportadores brasileiros.
 
"Gastamos muito, principalmente com logística e com tributos. Essa situação afeta os nossos preços e a nossa competitividade."
 
Entre os países com maior apoio das exportações, estão todos os membros do Brics e da América Latina analisados em 2015 - Índia e Venezuela ficaram de fora. A Colômbia (14,7%) marcou a proporção mais próxima da brasileira, enquanto Paraguai (41,9%) e México (35,3%) tiveram maior apoio das vendas internacionais. Já no grupo do Brics, China (22,4%), Rússia (29,5%) e África do Sul (30,9%) tiveram dados bastante superiores aos brasileiros.
 
As últimas informações da Índia (22,9%), referentes a 2014, também colocam o país à frente do Brasil. Para Castro, uma demanda interna menos expressiva explica a participação maior das exportações no PIB de alguns países, como o Paraguai. Ainda assim, ele afirmou que há grande espaço para crescimento no Brasil.
 
"Se tivéssemos uma infraestrutura melhor e um sistema tributário mais adequado, poderíamos chegar, no mínimo, aos 20%", disse o entrevistado.
 
Desenvolvidos
 
Os resultados da maior parte dos países mais ricos do mundo também ficaram bem acima do brasileiro em 2015.
 
Entre as potências europeias, destaque para Alemanha (46,9%), Espanha (33,1%) e Itália (30,2%). Fora deste continente, obtiveram dados expressivos a Coreia do Sul (45,9%) e o Canadá (35,9%).
 
"Muitos desses países tiveram seus processos de industrialização voltados ao comércio exterior, o que causou essa situação. No caso do Brasil, a industrialização teve mais foco no mercado interno", analisou o professor de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Arnaldo Cardoso.
 
A exceção ficou por conta dos Estados Unidos (12,6%). Os americanos ficaram uma posição abaixo do Brasil, superando apenas nove países.
 
Os EUA, entretanto, são o segundo maior exportador do planeta, atrás apenas da China. Já as últimas colocações do ranking elaborado pelo DCI foram ocupadas por países pobres: Sudão (6,9%), Burundi (7,1%) e Afeganistão (7,3%).
 
Saída para a crise
 
Ainda que as vendas para estrangeiros não tenham grande expressão no Brasil, o setor externo foi responsável pelas notícias econômicas positivas deste ano.
 
O resultado do PIB do segundo trimestre, por exemplo, indicou avanço de 0,4% dos embarques.
 
"Sem dúvida a nossa recessão seria menor se apostássemos mais nas exportações", avaliou Castro. Segundo ele, essas vendas deveriam compor ao menos 1% da receita das empresas no País. "Dessa forma, seria mais fácil recorrer à demanda externa em momentos de crise", justificou.
 
Cardoso seguiu a mesma linha. "Quando a economia se enfraquece, a indústria recua por não estar preparada para direcionar sua produção ao mercado internacional", diz.
 
Fonte: DCI


Veja também

Trabalho formal recuou 3,05% em 2015

São Paulo - O Brasil fechou 1.501.703 postos formais de trabalho em 2015, recuo de 3,05% em relação...

Veja mais
Ovos brancos e vermelhos sofreram nova queda de preços no encerramento da semana

No encerramento da semana os produtores de ovos sofreram nova redução na comercialização dos...

Veja mais
Fraude afasta brasileiro de fundos de previdência

Participar de um fundo de pensão deixou de ser uma garantia para que milhões de brasileiros contassem com ...

Veja mais
Valor do leite recua na Capital do Chimarrão

Se no início de julho o preço do litro do leite havia aumentado 43% nos supermercados da Capital Nacional ...

Veja mais
Só 3 Estados brasileiros criaram empregos em 2015

O número de novos postos abertos no Piauí, Acre e Roraima, contudo, somou apenas 8 mil no ano passado; ao ...

Veja mais
Três frigoríficos de MS estão liberados para exportar carne aos Estados UnidosDuas plantas de Campo Grande e uma Bataguassu estão preparando produção

Três frigoríficos de Mato Grosso do Sul habilitados para exportar carne bovina in natura já est&atil...

Veja mais
Leite fica mais barato e alivia a cesta básica

O preço do leite longa vida caiu e foi um dos itens que ficou mais barato nesta semana, segundo a pesquisa feita ...

Veja mais
Governo adia reforma trabalhista, mas vai apoiar a terceirização

Para Planalto, decisão do STF sobre jornada amplia segurança jurídica “No Brasil, sempre...

Veja mais
Reforma da Previdência tem de ser dura e rápida, diz secretário

O secretário de acompanhamento econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, defendeu nesta ...

Veja mais