Caged: Brasil cria 316 mil postos de trabalho formal em julho

Leia em 1min 40s

O Brasil registrou um saldo de 316.580 novos trabalhadores contratados com carteira assinada em julho de 2021. O saldo é o resultado de um total de 1.656.182 admissões e 1.339.602 desligamentos. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) divulgado hoje (26) pelo Ministério do Trabalho, o salário médio de admissão caiu 1,25% na comparação com o mês anterior, situando-se em R$ 1.801,99.

 

No acumulado do ano, o país registra saldo de 1.848.304 empregos, decorrente de 11.255.025 admissões e de 9.406.721 desligamentos. O estoque nacional de empregos formais, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, relativo a julho ficou em 41.211.272 vínculos, o que representa uma variação de 0,77% em relação ao estoque do mês anterior.

 

Regiões e estados
A Região Sudeste foi a que gerou mais postos de trabalho. O saldo positivo ficou em 161.951 vagas, o que corresponde a um aumento de 0,77% ante a junho. No Nordeste foram criados 54.456 postos (+0,83%); na Região Sul o saldo também ficou positivo (42.639 postos, +0,55%), a exemplo do Centro-Oeste (+35.216 postos, +1,01%) e do Norte (+22.417 postos, +1,18%).

 

São Paulo foi o estado que registrou o maior saldo positivo, com 104.899 novos postos de trabalho (+0,82%, na comparação com junho), seguido de Minas Gerais (+34.333 postos; +0,79%); e Rio de Janeiro: (+18.773 postos; +0,58%).

 

Já as unidades federativas com o menor saldo foram o Acre (806 novos postos; crescimento de 0,90% ante ao mês anterior); Amapá (saldo de 794 postos; +1,17%); e Roraima: (saldo de 332 postos; crescimento de 0,55%).

 

Salário médio de admissão
O salário médio de admissão em julho de 2021 (R$1.801,99) apresenta uma queda real de R$ 22,72 na comparação com junho de 2021. A variação corresponde a um percentual de -1,25%.

 

Na indústria de transformação, a queda do valor médio de admissão (-1,69%) resultou em um salário inicial de R$ 1.767,15. No setor de construção, a queda (-0,65%) fez com que o salário médio inicial registrado ficasse em R$ 1.848,81. Já a queda do salário médio de admissão do setor de serviços ficou em -1,49%. Com isso, o salário médio inicial do setor está em R$1.965,68.

 

Fonte: Agência Brasil 


Veja também

Norte e Centro-Oeste têm recuperação econômica mais intensa, diz BC

As regiões Norte e Centro-Oeste apresentaram recuperação econômica mais intensa no segundo tr...

Veja mais
IBGE: empresas de serviços não financeiros cresceram 1,6% em 2019

O número de empresas prestadoras de serviços não financeiros cresceu 1,6% em 2019, na compara&ccedi...

Veja mais
Prévia da inflação oficial fica em 0,89% em agosto

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflaç&at...

Veja mais
Confiança do consumidor recua 0,4 ponto em agosto

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 0...

Veja mais
Ipea revisa projeção de inflação no ano para 7,1%

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) alterou a projeção para a inflação d...

Veja mais
Pesquisa da FGV aponta melhora no clima econômico da América Latina

O indicador que mede o clima econômico na América Latina, calculado pela Fundação Getulio Var...

Veja mais
CNI aponta confiança de empresários em 30 setores industriais

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) mostra que todos os 30 setores industriais pe...

Veja mais
Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 7,11% este ano

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA - a inf...

Veja mais
Inflação do prato feito sobe 22,57% em 1 ano, aponta FGV; veja quanto subiu cada alimento

O popular "prato feito" do brasileiro subiu quase o triplo da inflação em 1 ano. Levantamento do pesquisad...

Veja mais