China vai impor tarifas de até 34% ao frango brasileiro

Leia em 1min 50s

Pequim - A China vai impor tarifas para o frango de corte brasileiro a partir deste sábado, 9, afirmou o Ministério do Comércio do país após descobrir, em uma decisão preliminar, que a indústria doméstica foi substancialmente prejudicada pelas importações de produto brasileiro. As medidas devem prejudicar os negócios externos de gigantes nacionais dos alimentos como a Seara, controlada pela JBS, e a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão.

 

A decisão chega num momento difícil para a indústria do frango no Brasil, que ainda se recupera de um recente escândalo de segurança alimentar. E também ocorre enquanto os Estados Unidos pressionam para recuperar acesso ao mercado chinês de frango, dentro das atuais discussões de tarifas comerciais. Em fevereiro, o Ministério do Comércio da China removeu uma tarifa sobre frangos importados dos EUA.

 

O presidente americano, Donald Trump, tem imposto tarifas a produtos de diversas partes do mundo, mas elegeu o superávit comercial chinês como alvo prioritário das mudanças que a Casa Branca está fazendo em sua política comercial.

 

Empresas chinesas que compram frango brasileiro serão obrigadas a fazer depósitos, em dinheiro, de 18,8% a 34,4% do valor das aquisições, frisou o ministério em um comunicado. Segundo a decisão, a penalidade impostas à Seara ficará em 18,8%, enquanto o depósito exigido da BRF será de 25,3%.

 

Participação ampliada. O Brasil contribuiu com mais de 50% das vendas de frango de corte à China, o segundo maior consumidor do produto no mundo, entre 2013 e 2016. O dado foi fornecido pelo próprio ministério, quando anunciou a investigação sobre o tema, em agosto do ano passado. Em 2017, a fatia brasileira nas vendas de frango à China teria superado a marca de 50%.

 

“Durante o período da investigação de danos, a quantidade de produtos importados e a participação de mercado brasileira continuou a crescer, enquanto os preços de produtos domésticos similares foram drasticamente reduzidos, causando sérios danos a indústrias domésticas”, disse o ministério.

 

O governo afirmou que, ainda que exista uma tendência positiva em algumas regiões para a indústria doméstica, os preços de venda e os lucros caíram, enquanto os estoques subiram, fazendo o setor operar no prejuízo.

 

Fonte: O Estado de São Paulo

 


Veja também

Carne bovina ganha competitividade no País

A diferença de preços da carne bovina para a de frango deve cair por conta dos fortes impactos da greve do...

Veja mais
Setor de aves e suínos retoma operações após perdas de R$3,15 bi por bloqueios

São Paulo - Todas as 167 unidades frigoríficas do Brasil que haviam parado a produção de car...

Veja mais
Indústrias frigorificas não produzem e nem vendem carne bovina

Até o fechamento da última quarta-feira (30/5), em função da greve dos caminhoneiros, as ind...

Veja mais
Frango: Recuperação do mercado é interrompida pela greve

No início deste mês, a avicultura registrava preços mais elevados da carne e reação da...

Veja mais
Suínos: Paralisação de caminhoneiros traz incertezas ao setor

Segundo pesquisadores do Cepea, a greve dos caminhoneiros tem trazido incertezas, visto que a suinocultura é um d...

Veja mais
Setor de aves do Brasil pode levar mais de 2 anos para se recuperar de greve, diz Maggi

"Se nós perdermos essas aves, nós perdemos toda a capacidade de recuperação", disse Maggi a ...

Veja mais
Produtores de carnes começam a retomar atividades após protestos

 Parte das 167 unidades produtoras de carnes de aves e suína do Brasil que pararam a produção ...

Veja mais
ABPA anuncia a retomada das atividades pela Avicultura e Suinocultura

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) destaca que, até as 17h00 desta quarta-fei...

Veja mais
Blairo Maggi: Brasil pode se tornar um importador de frangos se paralisação seguir

 O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, alertou há pouco, em vídeo divulgado por ele, que o Brasil ...

Veja mais