Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 









Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Tecnologia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Tecnologia

29/10/2018 11:41 - Apenas 8% dos brasileiros revendem celulares usados de modo profissional

A maioria dos brasileiros tem o hábito de dar o aparelho antigo a amigos e familiares quando adquirem um smartphone novo e apenas 8% deles revendem de forma profissional. O número, que se soma aos 12% que revendem por conta própria, revelam um grande potencial de crescimento neste mercado.

 

“Analisando esta parte do estudo, percebemos que o Brasil ainda não tem um grande mercado secundário de smartphones”, avalia a líder de tecnologia, mídia e comunicações da Deloitte, Marcia Ogawa, lembrando que boa parte dos brasileiros prefere guardar o aparelho antigo caso ocorra algum imprevisto, como furto.

 

Os dados em questão fazem parte do estudo “Global Mobile Consumer Survey”, da consultoria Deloitte e revelam que entre os consumidores que revendem o aparelho, 1% o fez para lojas, 2% vendeu ou trocou com o fabricante do aparelho, 1% fez o negócio na operadora, além dos 4% que firmam negócio por meio de sites. O número, no entanto, é bem inferior aos 28% que dão o aparelho antigo a amigos ou familiares.

 

E é justamente para aproveitar o potencial deste mercado que o Grupo PLL, rede de assistências técnicas autorizadas, criou, neste mês, a Yesfurbe, site de comercialização de smartphones novos e seminovos. A empresa investiu R$ 5 milhões na plataforma e opera por meio de seu portal de e-commerce, parceiros varejistas e acordos de fornecimento com seguradoras.

 

“Há países como o Japão e Estados Unidos que adotaram há uns dois anos este modelo e vimos um aumento significativo de vendas, segundo pesquisas”, explica o sócio-diretor da Yesfurbe, Danilo Martins.

 

O diretor de estratégias e operações da Deloitte nos Estados Unidos, Phil Wilson, explica que, no Japão, Reino Unido e Estados Unidos, o número de pessoas que realizavam a troca de smartphones velhos por novos saltou de menos de um terço para dois terços em aproximadamente dois anos. “O fato das pessoas estarem trocando de celular mais rapidamente pode representar uma forma de monetização para operadoras e outras lojas”, analisa o especialista.

 

Uma das empresas que comercializa aparelhos seminovos da Yesfurbe é a Hashtec, rede de franquias de reparo de celulares. “A venda de seminovos representa, inicialmente, cerca de 30% do faturamento da loja. A expectativa é que esse percentual seja de 40% nos próximos 6 meses”, discorre ao DCI o gerente de novos projetos da varejista.

 

Fonte: DCI

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

07/08/2020 16:19 - Como a pandemia acelerou de vez o e-commerce no Brasil
05/08/2020 15:46 - Startup cresce 400% ajudando supermercados a vender online
03/08/2020 16:02 - O carrinho que sabe o que você compra
24/07/2020 16:12 - Aumentam cada vez mais os pagamentos por aproximação
23/07/2020 16:18 - E-commerce vende R$ 33 bilhões na pandemia puxado por alimentos e bebidas
22/07/2020 14:04 - Consumidores que compraram alimentos pela internet chegam a 53%
17/07/2020 15:42 - Aplicativo mostra horários com menor movimento em supermercados e farmácias
17/07/2020 13:53 - Pagamento via Whatsapp será aprovado o mais rápido possível, diz presidente do BC
07/07/2020 16:28 - Uber fará entrega de supermercado em 11 cidades brasileiras
06/07/2020 15:44 - Venda digital de alimentos avança
06/07/2020 15:40 - E-commerce: contratações têm aumento devido aos supermercados on-line
01/07/2020 17:07 - E-Commerce brasileiro cresce 75% no mês de maio
24/06/2020 17:24 - Pequenos varejos têm plataforma gratuita para digitalização
24/06/2020 15:48 - Produtos da agricultura familiar serão disponibilizados em app de compra pela internet
23/06/2020 15:41 - Usuários de internet banking passam de 49% para 57% após pandemia de covid

Veja mais >>>