Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 











Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Sustentabilidade

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Sustentabilidade

17/07/2015 10:27 - Efeito colateral

                                Crise na indústria faz cair procura por papelão e derruba também o preço do plástico reciclável



Ana Paula Serafim da Silva, 40, foi criada no lixo –literalmente. Aos 11 era catadora em Jardim Gramacho, aterro na região metropolitana do Rio. Do lixo veio a renda que criou a filha. Poucas vezes, porém, o trabalho foi tão mal recompensado."O preço dos materiais caiu, minha renda diminuiu. Já estou devendo até no cartão", diz a catadora, enquanto separa garrafas e papelão num galpão repleto de lixo e baratas perto do aterro, desativado há três anos. "Parece que é a situação do país."

A renda mensal de Ana Paula encolheu de cerca de R$ 550 em 2014 para R$ 364 neste ano. O dinheiro é suficiente apenas para dar uma "ajudinha" em casa, onde vive com o marido, a filha e, agora, duas netas.O aperto maior na renda dos catadores das cooperativas de Jardim Gramacho está diretamente ligado à desaceleração econômica, principalmente da indústria.

A menor produção industrial reduziu a demanda pelos insumos fornecidos pelos catadores, derrubando os preços desse material.O exemplo mais bem acabado está na garrafa plástica (PET) –"filé mignon" dos recicláveis, ao lado da latinha de alumínio. O preço do quilo do PET caiu de R$ 2,40 em junho de 2014 para R$ 1,25 neste mês (-48%).

EFEITO CASCATA

O que afetou os PETs foi principalmente a queda da demanda dos setores automotivo, têxtil e químico. O PET compõe painéis e carpetes de carros e, transformado em resina, é usado na fibra de vidro de ônibus.

Na Aunde, que produz tecidos para bancos de carros, ônibus e caminhões, de 20% a 30% dos fios são de PET reciclado. "Consumimos toneladas deles, mas com a queda de 20% da produção de veículos reduzimos as compras", diz Felipe Borges, gerente comercial da Aunde.Marilene de Fátima Albino, 60, recebe cerca de R$ 350 mensais. Um terço disso paga o transporte de casa para o trabalho. Ela não imagina, mas a menor produção de ônibus que a leva ao trabalho afetou sua renda. Pior: a crise como um todo atingiu ainda um de seus dois filhos. "Um deles está desempregado. O outro começou agora a trabalhar", afirmou ela.

PAPELÃO

O papelão também foi afetado pelo efeito cascata. O produto é insumo da fabricação de caixas, utilizadas pela indústria para embalar basicamente tudo: de alimento a celulares, eletrodomésticos a peças de automóveis.

As vendas de papelão ondulado recuaram 5,69% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 272.567 toneladas, segundo a associação do setor.Com o menor ritmo da indústria e do comércio, o preço do papelão reciclado teve uma queda 20% na Cooperativa Beija-Flor, no Rio. Na Cooper Glicério, em São Paulo, a queda foi de 43%.

Quem compra o papelão dos catadores são os chamados aparistas de papel. Eles separam o material, classificam e revendem para as indústrias. Agora, eles se queixam do aumento de estoques. "Existe excesso de oferta de papelão", disse Pedro Vilas Bôas, consultor da Associação das Aparistas de Papel.Ricardo Trombini, diretor da fabricante de embalagens Trombini, que produz uma em cada três embalagens de papelão vendidas no Sul do país, não descarta mais queda de preço pela frente.

Entre os catadores, o fenômeno provoca mudanças de hábito. Marcos de Paiva, 39, teve de se adaptar: trocou a compra de carne por frango, menos caro. E desistiu ainda de reformar a casa. "Ou troco o armário ou como."

OUTRAS CAPITAIS

A renda dos catadores encolheu em outras capitais. Na Cooperativa de Recicladores de Maceió, foi de R$ 650 para R$ 580. Na de Pampulha, em Belo Horizonte, de R$ 1.100 para R$ 800. Na Cooper Glicério, em São Paulo, passou de R$ 550 para R$ 400.

A queda da renda dos catadores só não foi maior porque o preço do alumínio –um dos mais rentáveis– subiu de R$ 3,30 para R$ 3,50 nos últimos 12 meses, segundo a associação Jardim Gramacho. O motivo, nesse caso, é o aumento da cotação do dólar.



Veículo: Jornal Folha de S.Paulo

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

08/04/2020 16:46 - Piracanjuba doa mais de 50 mil litros de leite para entidades goianas e anuncia recursos
25/03/2020 11:25 - Cinco produtos sustentáveis para comprar, economizar e ajudar o meio ambiente
13/03/2020 11:24 - Novos hábitos de consumo impulsionam o fim da era do plástico
13/03/2020 11:17 - Procter & Gamble faz avanços significativos na reciclagem de plásticos
12/03/2020 11:31 - Minuto Pão de Açúcar de São Paulo passa a receber vidros para reciclagem
03/03/2020 11:26 - A Coca-Cola colhe os frutos do investimento em embalagens retornáveis
02/03/2020 12:20 - Rio de Janeiro tira de circulação um bilhão de sacolas plásticas em 6 meses de lei
20/02/2020 11:39 - Ambev vai transformar lixo em lixeiras
18/02/2020 11:18 - Lei que proíbe canudos de plástico começa a ser aplicada em São Paulo
14/02/2020 12:51 - Dove troca embalagens vazias por produtos novos
13/02/2020 12:52 - Do consumidor para o comércio e indústria: logística reversa em Mato Grosso do Sul
11/02/2020 15:43 - Consumidores têm dificuldade em identificar sustentabilidade nas marcas
07/02/2020 12:29 - Nestlé lança bot pelo WhatsApp que tira dúvidas sobre reciclagem
06/02/2020 12:24 - Startup Transforma Lixo em Dinheiro
06/02/2020 11:50 - Varejo acelera troca de plástico descartável

Veja mais >>>