Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 









Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

02/06/2020 15:55 - O impacto da pandemia nos mercados financeiros

Os impactos da pandemia da Covid-19 no Brasil, agravados pela instabilidade política, atingem praticamente todos os setores da economia, com reflexos nos investimentos financeiros e no mercado de capitais.

O lockdown, somado ao embate entre os poderes Executivo e Legislativo, impacta as expectativas macroeconômicas para o ano. Apesar de reações pontuais da Bolsa de Valores, os indicadores são preocupantes.

O Boletim Focus dessa semana sinaliza uma queda do Produto interno Bruto (PIB) na ordem de 6,25%. Cabe destacar, de acordo com a projeção do FMI (Fundo Monetário Internacional), que a economia brasileira em 2020 deve retrair-se em torno de 5,3%.

O Ministério da Economia assumiu que, no mês passado, houve um déficit primário do setor público superior a R$ 600 bilhões este ano, ou seja, aproximadamente 8,25% do PIB, considerando o último relatório de mercado divulgado pelo Banco Central do Brasil (Bacen).

Dentre os fatores impactantes, a retração do consumo, pressionada pelo aumento do desemprego, começa a se materializar e logo se torna quase inevitável um novo corte de juros no mês de junho.

Nesse contexto, o Brasil fica menos atrativo para o investidor estrangeiro em relação a investimentos, o que, em parte, reduz o ingresso de dólares. Assim, um novo corte acentuado da Selic pode ser contracíclico, pressionando ainda mais o câmbio.

A depreciação do real, que deixaria os produtos nacionais mais baratos em relação aos estrangeiros, não impede a retração da indústria brasileira. Esta tem pouca relevância atual nas nossas exportações, das quais a sua maioria é pautada por commodities.

Logo, mesmo com os sucessivos recordes de valorização do dólar, o saldo da balança comercial no primeiro trimestre foi 32% inferior em relação ao mesmo período de 2019.

Em um cenário de estagnação com depreciação da moeda doméstica, o ganho de competitividade dos exportadores não será efetivado em todo o seu potencial, devido à desaceleração econômica global.

Todavia, para os importadores, o real desvalorizado aumentará os custos de investimentos e insumos. Outro aspecto é que algumas empresas, em decorrência das crises dos últimos anos, aumentaram sua dívida em dólar, e muitas não conseguiram proteger seus financiamentos internacionais com operações de hedge cambial.

Nesse sentido, os dados trimestrais das economias globais começam a retratar o impacto da pandemia nos mercados. A economia dos Estados Unidos encolheu a uma taxa anualizada de 4,8% no primeiro trimestre de 2020. Já o PIB da Zona do Euro retraiu-se em 3,8% no trimestre, com queda gradativa do PMI industrial.

Os resultados das companhias ligadas à tecnologia da informação tendem a apresentar saldos contundentes. O lucro trimestral do Facebook foi 102% superior em relação ao trimestre do ano passado.

Porém, salvo algumas exceções, a expectativa é nada animadora com relação à temporada de divulgação dos resultados das companhias. A petrolífera Royal Dutch Shell apresentou queda de 48% no lucro do trimestre, obrigando-a a cortar o pagamento de dividendos como forma de preservação da geração de fluxo de caixa e manutenção da liquidez. No Brasil, empresas exportadoras podem ser beneficiadas com a alta do dólar.

É o caso da Vale S/A, que reverteu o prejuízo e registrou R$ 984 milhões de lucro líquido no primeiro trimestre do ano. No setor financeiro, o lucro do banco Bradesco retraiu-se em 39,8% no trimestre, enquanto a Smiles teve queda de 60,3% e a Cielo, de 69,4%, no comparativo ao primeiro trimestre de 2019.

O índice VIX (indicador que mede a volatilidade com base nas opções do S&P500), também conhecido como “índice do medo”, atingiu neste ano patamares superiores à crise dos subprimes (crédito de risco) de 2008, e ainda sinaliza que a volatilidade, aversão ao risco e a incerteza continuarão nos mercados globais.

As expectativas econômicas deste ano já estão comprometidas, e o avanço das reformas administrativa e tributária parece novamente ficar na retórica. A aversão ao risco causado pelo novo coronavírus, somado ao efeito da redução de juros e ao risco político no Brasil, é uma combinação perigosa para o futuro do País.

Assim, espera-se que, em paralelo à contenção do contágio e das respostas da ciência ao Covid-19, a Nação conte com mais sinergia e comprometimento dos poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), além do fortalecimento da parceria do setor público com o privado, no tocante às medidas de recuperação da economia.


Fonte: Diário do Comércio 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

15/07/2020 16:55 - Governo estima inflação menor neste ano e salário mínimo deve subir menos em 2021
15/07/2020 16:32 - Ministério da Economia mantém queda projetada de 4,7% para PIB em 2020
15/07/2020 15:37 - Incerteza com dinheiro e emprego é risco real à retomada global
15/07/2020 15:28 - Indicador do Ipea revela aceleração inflacionária
15/07/2020 10:50 - IGP-10 acelera a alta a 1,91% em julho sob peso de combustíveis, diz FGV
14/07/2020 16:01 - Decreto permite recontratação de demitido durante pandemia
14/07/2020 15:54 - 'Prévia' do PIB sobe 1,3% em maio, mas perde 14,24% em um ano, diz BC
14/07/2020 15:46 - Decreto amplia prazo para suspensão de contratos de trabalho e redução da jornada
13/07/2020 16:41 - Número de desempregados aumenta em 2 milhões desde o início de maio
13/07/2020 16:36 - Vendas em serviços recuaram 0,9% em maio, diz IBGE
13/07/2020 16:31 - Caixa credita saque emergencial do FGTS para nascidos em março
13/07/2020 14:49 - Inflação da terceira idade se mantém acima do resto da população
13/07/2020 14:43 - Mercado vê recessão menor em 2020 e aumenta estimativa para a inflação
10/07/2020 15:23 - Empresas poderão usar contratos com governo como garantia
10/07/2020 13:15 - INPC fica em 0,30% em junho, diz IBGE

Veja mais >>>