Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

14/02/2020 12:36 - ’Prévia’ do PIB do Banco Central indica que economia brasileira cresceu 0,89% em 2019

O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, considerado uma "prévia" do resultado do Produto Interno Bruto (PIB), aponta que a economia brasileira cresceu 0,89% em 2019. O indicador foi divulgado nesta sexta-feira (14) pela instituição.

Se confirmado, esse será o terceiro ano seguido de expansão econômica, mas representará desaceleração frente ao ritmo registrado em 2018 - quando o PIB do país cresceu 1,3% (número revisado).

O resultado oficial do PIB, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, será divulgado somente em 4 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Embora o cálculo seja um pouco diferente, o IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos.

O mercado, segundo pesquisa realizada pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras na semana passada, estima uma expansão de 1,12% para a economia brasileira em 2019.

O Ministério da Economia também estima uma alta de 1,12% e, para o BC, o crescimento será de 1,2% no último ano.

Em termos de impacto no nível de atividade, 2019 foi marcado pelo rompimento da barragem de Brumadinho, no início do ano e, também, por incertezas no ambiente externo, como a guerra comercial entre China e Estados Unidos e a recessão na Argentina - que influenciaram o resultado comercial.

Esses choques (Brumadinho, guerra comercial e recessão na Argentina), segundo o Banco Central, "custaram" 0,67 ponto percentual ao crescimento da economia no ano passado. Sem esses eventos, a conclusão da instituição é de que o PIB teria uma alta maior, nesta mesma proporção, no ano passado.

Além disso, o governo conseguiu aprovar em 2019, com apoio de lideranças políticas, mudanças nas regras de aposentadoria do INSS e de servidores públicos, com impacto nas contas públicas estimado (economia) de R$ 855 bilhões em 10 anos.

As mudanças na Previdência aumentaram a confiança dos investidores na economia, influenciando a Bolsa de Valores - que registrou valorização de 31,58% -, e permitiram, junto com o fraco ritmo do nível de atividade, uma queda da básica de juros da economia para mínimas históricas.

Para tentar aquecer a economia, o governo Bolsonaro também anunciou, no ano passado, a liberação de saques das contas inativas, e ativas, do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), injetando cerca de R$ 30 bilhões na economia em 2019.

O ano passado foi marcado pelo queda de 1,1% na produção industrial. Com o resultado de dezembro, a indústria brasileira operou 18% abaixo de seu ponto mais alto, registrado em maio de 2011. "Em termos de patamar de produção, é como se estivéssemos voltando para [o ritmo de produção de] janeiro de 2009", avaliou o gerente da pesquisa do IBGE, André Macedo.

As vendas do comércio varejista cresceram pelo 3° ano seguido em 2019, mas perderam ritmo. Segundo o IBGE, o crescimento do setor só não foi maior por conta do segmento de hipermercado, que foi o que impulsionou as altas de 2017 e 2018.

Já o volume de serviços prestados no Brasil cresceu 1% em 2019, interrompendo sequência de 4 anos sem crescimento. O desempenho foi puxado por empresas que atuam nos segmentos de portais, provedores de conteúdo, serviços de informação e tecnologia da informação, assim como pela locação de veículos (aumento de motoristas de aplicativos).

Com os juros mais baixos, o Indicador do Ipea de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) registro um crescimento de 2,1% no ano passado. Já o Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais - parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações - registrou queda de 0,2% em 2019.

A taxa de desemprego, por sua vez, ficou em 11% no trimestre encerrado em dezembro, atingindo 11,6 milhões de pessoas. Foi a terceira queda seguida do indicador, que ficou em 11,2% nos três meses até outubro. Com isso, ficou no menor patamar desde o trimestre encerrado em março de 2016.       

 

Fonte: G1    

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

21/02/2020 12:23 - Confiança do comércio cresce em fevereiro e retorna ao patamar de 1 ano atrás
21/02/2020 12:20 - Brasileiros acreditam que inflação ficará em 5% nos próximos 12 meses
21/02/2020 12:08 - Vendas no comércio varejista crescem 3,6% em janeiro, diz Serasa
21/02/2020 11:35 - Preços de vestuário e alimentos caem e IPCA-15 tem menor fevereiro desde 1994
20/02/2020 11:35 - Instalada comissão mista do Congresso que analisará reforma tributária
20/02/2020 11:34 - BC altera regras do compulsório e injeta R$ 135 bilhões na economia a partir de março
20/02/2020 11:25 - Recuperação gradual da economia brasileira atinge todas as regiões
20/02/2020 11:18 - Vendas do varejo na Capital aumentam 1,8%
19/02/2020 15:44 - Apesar do 2019 decepcionante, confiança na indústria está com tudo
19/02/2020 15:43 - Economia brasileira continua a se recuperar mesmo com incerteza no cenário externo, diz BC

Veja mais >>>