Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

27/12/2019 17:17 - Mercado previa PIB de 2,5%, dólar a R$ 3,80 e juro a 7,5%; o que aconteceu?

Analistas do mercado financeiro se mostraram bastante otimistas com a economia brasileira no começo deste ano. Previam um crescimento econômico de 2,5% e dólar a R$ 3,80, por exemplo. Com 2019 chegando ao fim, sabemos que os principais indicadores ficarão bem distantes daquilo que era projetado pela maioria desses profissionais no início do ano. Por que isso acontece? O que "deu errado"?

 

Crescimento do PIB abaixo do esperado Por exemplo, as estimativas acerca do crescimento econômico, medido pelo PIB (Produto Interno Bruto), demonstravam o otimismo do mercado em relação à economia brasileira com a chegada de Jair Bolsonaro ao poder, com Paulo Guedes no comando da economia.

 

No começo de 2019, o boletim Focus (pesquisa semanal feita pelo Banco Central com analistas de mercado) projetava para o PIB uma alta de 2,53% neste ano, segundo a mediana das previsões. Este resultado também era endossado pelo FMI. No Focus, a previsão mais alta era de crescimento de até 3,13%.

 

Na vida real, porém, essa expectativa para o PIB deve ser frustrada. O crescimento da economia brasileira neste ano deve ficar próximo da metade disso —algo em torno de 1%.

 

O que deu errado? "Aqui no Brasil, as pessoas são mais torcedoras do que analistas", segundo Roberto Dumas, professor de economia do Ibmec-SP. Segundo ele, foi mal avaliada "a dificuldade do presidente Bolsonaro com o Congresso" e houve um certo otimismo exacerbado ("Paulo Guedes afirmando que ia fazer superávit fiscal logo no primeiro ano. Não ocorreu")

 

Segundo os especialistas ouvidos pelo UOL, além do erro na avaliação dos analistas, esse descolamento entre expectativa e realidade também se deve a acontecimentos como a tragédia de Brumadinho (MG), que abateu a produção de minério da Vale destinada à exportação, e a diminuição das vendas de veículos para a Argentina, dada a crise no país vizinho. "As pessoas esperam que o PIB do próximo ano seja o potencial, mas isso não acontece. O resultado é mais fraco pois você tem pouca demanda, com o gasto público em patamares baixos. Dessa forma, o PIB se parece mais com o dos anos anteriores", disse Marcelo Kfoury, coordenador do Centro Macro Brasil da FGV-Eesp.

 

"[O crescimento] ainda ocorre graças à política monetária, que produz uma recuperação de crédito de pessoa física e do setor imobiliário, por exemplo", afirmou Kfoury.

 

Não se esperava dólar a R$ 4

 

Além do crescimento menor do que o esperado, outro indicador acabou bem diferente do que o esperado: a taxa de câmbio do real em relação ao dólar.

 

A previsão dos analistas era que, ao final de 2019, o dólar estivesse em R$ 3,80, segundo a mediana das projeções do Boletim Focus. O dólar, porém, caminha para fechar o ano acima dos R$ 4.

 

Incertezas sobre a guerra comercial entre China e EUA e o atraso na agenda de reformas prometidas pelo governo Bolsonaro são algumas das razões para esse resultado.

 

Juros e inflação também abaixo do previsto

 

As projeções do mercado para a taxa básica de juros (Selic) e a inflação ao fim de 2019 também devem ficar longe da realidade. E isso tem relação direta com os resultados do PIB e do dólar, mencionados mais para cima.

 

O mercado previa que, no fim deste ano, a Selic estaria em 7,5% ao ano, mas ela irá fechar em 4,50% ao ano. Esse resultado está ligado aos problemas com PIB, que crescerá menos que o esperado, o que fez com que o Banco Central acelerasse o ritmo de corte na Selic tentando aquecer a economia.

 

A previsão para a inflação, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), era que encerrasse o ano em 4%, segundo a mediana do Boletim Focus. O resultado, porém, deve ficar mais próximo dos 3,5%.

 

"Você ainda tem pouca demanda e isso faz com que os preços não subam tanto", afirmou Marcelo Kfoury, da FGV-Eesp. Fora isso, diz Dumas, sempre entra o imponderável.

 

Fonte: Uol

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

21/01/2020 12:46 - Economia avança 0,3% em novembro, diz monitor do PIB da FGV
21/01/2020 12:41 - Boa Vista: índice do movimento do varejo sobe 1,7% em 2019, mas cai em dezembro
20/01/2020 16:00 - Consumidor deve pagar a conta da alta da tabela do frete
20/01/2020 13:15 - Durante verão, brasileiro gasta 60% mais com consumo de cerveja fora do lar
20/01/2020 10:28 - Mercado reduz estimativa de inflação em 2020 e vê alta maior do PIB
17/01/2020 12:51 - São Paulo terá semana de descontos
16/01/2020 12:12 - 'Prévia' do PIB do BC registra alta de 0,18% em novembro
15/01/2020 15:37 - Com carnes, inflação dos mais pobres sobe bem mais do que a dos ricos, diz Ipea
15/01/2020 13:10 - “O crescimento da indústria é forte e pode superar o aumento do PIB”, aponta FIESP
14/01/2020 13:24 - Após dois meses de alta, setor de serviços cai 0,1% em novembro

Veja mais >>>