Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 









Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

02/07/2019 15:50 - Calor crescente pode custar 80 milhões de empregos até 2030, diz ONU

LONDRES (Thomson Reuters Foundation) - O calor crescente provocado pela mudança climática pode levar à perda de 80 milhões de empregos até 2030, e os países pobres seriam os mais atingidos, alertou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira, o que coincide com recordes de temperaturas altas na Europa.

 

Um aumento de temperatura de 1,5 grau Celsius até o final do século poderia levar a uma queda de 2,2% nas horas de trabalho —o equivalente a 80 milhões de empregos de período integral— e custar 2,4 trilhões de dólares à economia global, de acordo com projeções da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

 

A OIT disse que as pessoas serão incapazes de trabalhar devido aos riscos de saúde causados pelas temperaturas mais elevadas.

 

“O impacto do estresse do calor na produtividade laboral é uma consequência séria da mudança climática, o que se soma a outros impactos adversos, como padrões de chuva em mutação, elevação do nível dos mares e perda de biodiversidade”, disse Catherine Saget, da OIT.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que é provável que o estresse do calor ligado à mudança climática causará 38 mil mortes adicionais por ano em todo o mundo entre 2030 e 2050.

 

O estresse do calor ocorre quando o corpo absorve mais calor do que é tolerável. O calor extremo pode causar doenças relacionadas ao calor, como insolação e exaustão, aumentar a mortalidade e exacerbar problemas de saúde preexistentes.

 

Trabalhadores do agronegócio — especialmente as mulheres, que compõem a maior parte dos 940 milhões de empregados do setor— serão os mais afetados, disse a OIT, representando cerca de 60% de todas as horas de trabalho devido ao estresse do calor até 2030.

 

Se as temperaturas globais subirem como previsto, a indústria da construção sofrerá cerca de 19% das horas de trabalho perdidas, e os países mais pobres do sudeste da Ásia e da África serão os mais afetados, acrescentou a OIT.

 

Os setores de transporte, turismo, esporte e industrial estão entre os que também serão afetados pelo calor crescente, disse a entidade.

 

As temperaturas já subiram cerca de 10 graus Celsius desde os tempos pré-industriais. Cientistas dizem que novas elevações ameaçam desencadear pontos de inflexão que poderiam tornar partes do mundo inabitáveis, devastar a agricultura e alagar cidades litorâneas.

 

Fonte: Reuters

 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

24/11/2020 15:26 - Brasileiros dizem acreditar em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses
24/11/2020 15:23 - Prévia da inflação oficial em novembro fica em 0,81%, diz IBGE
24/11/2020 15:21 - Clima Econômico da América Latina tem ligeira melhora no 4º trimestre
24/11/2020 15:17 - Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
24/11/2020 15:14 - Caixa credita auxílio, dos ciclos 3 e 4, para os nascidos em junho
23/11/2020 15:42 - Prévia da confiança da indústria aponta crescimento em novembro, diz FGV
23/11/2020 15:27 - Caixa credita auxílio emergencial para nascidos em fevereiro
23/11/2020 15:25 - Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
23/11/2020 15:23 - Guedes diz que país vai perder menos empregos que na última recessão
20/11/2020 15:21 - OMC vê recuperação no comércio, mas espera desaceleração no fim do ano
20/11/2020 15:17 - Auxílio emergencial é creditado para nascidos em dezembro
20/11/2020 15:13 - Brasil pode fechar ano perdendo menos empregos que em 2015 e 2016
19/11/2020 15:44 - Varejo deve faturar recorde de R$ 3,74 bi na Black Friday de 2020, diz CNC
19/11/2020 15:22 - Ipea projeta inflação de 3,5% para 2020
19/11/2020 15:20 - Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI

Veja mais >>>