Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

16/04/2010 10:35 - Magazine Luiza não quer cobra nem lagarto

Depois de perder o Ponto Frio para o Pão de Açúcar e a Insinuante para a Ricardo Eletro, ao Magazine Luiza restou crescer organicamente, o que pode ser bem demorado, ou buscar novos alvos. Partir para uma fusão ou ser comprada não são alternativas para a terceira maior rede de móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos do país, afirma o seu superintendente, Marcelo Silva, que passou pelo Bompreço e pela Pernambucanas.

 

"Eu não acredito nesse negócio de juntar cobra com jacaré, isso não dá certo", diz o pernambucano de Palmares, 58 anos, que assumiu a empresa há exatamente um ano. Ser vendido, muito menos. "Jamais! O Magazine Luiza é a última virgem do mercado e não se deixará arrebatar por qualquer um". O qualquer um, no caso, poderia ser o Grupo Pão de Açúcar, um dos poucos no país com cacife para levar a empresa de R$ 2,8 bilhões de receita líquida em 2009, que reverteu o prejuízo de R$ 47,5 milhões de 2008 para um lucro líquido de R$ 50,4 milhões. O Pão de Açúcar vem dizendo informalmente que, se o negócio com a Casas Bahia for cancelado, a Máquina de Vendas e o Magazine seriam candidatos a uma nova associação.

 

Para Silva - que falou ao Valor pouco antes do anúncio, feito nesta semana, de revisão do acordo entre Pão de Açúcar e Casas Bahia -, quem se associa perde a identidade. "Eu fui do Bompreço, sei da força que esse nome tinha no Nordeste. Depois chegou o Walmart e o nome virou nada. Quando dois se juntam há sempre conflito de valores", diz. O Magazine não é um alvo fácil de levar, reconhece um executivo do varejo. "A Luiza [Trajano, presidente da empresa] tem muita personalidade e não iria se adaptar a uma associação", diz.

 

Silva sabe, é claro, que uma compra é diferente. "Numa aquisição eu imponho os meus valores sobre quem comprei, não preciso negociar", diz o superintendente, que pretende abrir 30 lojas este ano, para se somar aos atuais 456 pontos de venda presentes em sete Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país. A questão é para onde voltar as baterias neste momento. Na opinião de especialistas e de fornecedores do varejo, o caminho natural para Magazine é o Nordeste, região que puxou as vendas de eletrodomésticos em 2009 e onde estão concentradas mais da metade das lojas da vice-líder Máquina de Vendas, resultado da fusão entre Ricardo Eletro e Insinuante.

 

Lá, varejistas como a paraibana Lojas Maia (140 lojas em nove Estados) e a pernambucana Credimóveis Novolar (39 lojas em três Estados) se destacam. Os competidores nordestinos estão a todo vapor: em março, a pernambucana Eletroshopping comprou a Hermol e passou a deter 140 lojas em seis Estados da região. A conterrânea Laser Eletro adquiriu a piauiense Armazém Nordestino para somar 146 pontos de venda no Nordeste.

 

Mas existem alvos atraentes no Sudeste, mercado original da Luiza e da Ricardo Eletro. A mineira Eletrozema, com 240 lojas, opera em Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Goiás. A Edmil, dona de 54 lojas no sul de Minas, também poderia ser alvo. "A proposta deles [da Edmil] é ser a primeira loja de eletroeletrônicos de pequenas cidades", diz uma fonte.

 

No interior de São Paulo resiste a J. Mahfuz, criada em 1955 e dona de 38 lojas. Mas a joia da coroa do interior paulista e capital é a Lojas Cem, fundada em 1952, e que soma 170 lojas em São Paulo, Rio, Minas e Paraná. Sua controladora, a família Dalla Vechia não mostrou, até hoje, disposição de vender o negócio. "Estão bem consolidados, não têm problema de fluxo de caixa e conseguem ser competitivos", diz uma fonte da indústria.

 

Para um especialista em varejo, a gaúcha Colombo, dona de cerca de 360 lojas no Sul do país, em São Paulo e Minas, seria outro diferencial de peso. "É bem possível que a empresa caminhe para a venda, uma vez que o fundador, Adelino Colombo, não tem sucessores preparados para assumir e a rede vem se mostrando apática", diz uma fonte. "Qualquer administrador poderia, em pouco tempo, fazer crescer as vendas em até 15% lá".

 

No Rio, onde o Magazine Luiza não compete e a Máquina de Vendas pretende investir R$ 50 milhões para chegar a 100 lojas neste ano, existem outras oportunidades: Tele-Rio, dona de 28 lojas, e Casa & Vídeo, em recuperação judicial, mas dona de uma rede de mais de 70 lojas no Rio, em Minas e no Espírito Santo.

 

Um negócio fechado com qualquer uma dessas empresas seria mais um passo no movimento de quebra de paradigmas no varejo - um terreno tradicionalmente formado por empreendedores e marcado por estampar "a cara do dono", fosse ele Samuel Klein, Abilio Diniz ou Luiza Trajano. "Com as fusões, deixou-se um pouco de lado o ego, para se valorizar o crescimento do negócio", diz um consultor. Mas nem sempre essa conta fecha, como mostra a disputa entre Pão de Açúcar e Casas Bahia.

 

De qualquer forma, Ricardo Nunes e Luiz Carlos Batista, controladores da Ricardo Eletro e da Insinuante, respectivamente, dão mostras de que sempre é possível negociar. "São personalidades completamente diferentes que, por isso mesmo, mostraram maior capacidade de sinergia", diz o consultor. E a família Klein e Abilio Diniz? "Eles são diferentes, mas têm a mesma vontade de levar vantagem pessoal, o que sempre atrapalha".
 


Carrefour planeja aquisições no Brasil

 

O Brasil aumentou sua participação na receita global do Carrefour no primeiro trimestre, para 11,3%, ante 8,5% no mesmo período do ano passado. As vendas no país cresceram 16% até março e somaram € 2,7 bilhões (R$ 6,5 bilhões), de acordo com o balanço divulgado pela varejista ontem na França. Em conferência, o diretor de finanças, Pierre Bouchut, disse que o grupo pretende promover aquisições nos mercados brasileiro, chinês e espanhol.

 

Mesmo com o bom desempenho, a filial brasileira perdeu a liderança em 2009 para o Pão de Açúcar no ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O grupo controlado por Abilio Diniz somou vendas de R$ 26,2 bilhões, contra R$ 25,2 bilhões da filial da varejista francesa.

 

"Eles [Pão de Açúcar] só passaram ao primeiro lugar por causa do Ponto Frio [adquirido em junho]. Mas nós temos a maior operação no segmento alimentício", afirma o diretor de finanças e gestão do Carrefour Brasil, Daniel Magalhães.

 

Dono de 114 hipermercados, 49 supermercados, 61 lojas do Atacadão e 376 do Dia%, o Carrefour Brasil prevê abertura de 70 lojas este ano, de todas as bandeiras, com foco maior no Norte e Nordeste. "Nossa posição no Sul e Sudeste já está consolidada", diz Magalhães. As inaugurações devem consumir parte dos investimentos de R$ 2,5 bilhões anunciados para 2010 e 2011 no Brasil, acima da cifra de R$ 1,8 bilhão do biênio anterior. Na conta, além das lojas, estão incluídos novos investimentos na operação on-line (que teve início mês passado) e também em infraestrutura, logística e prospecção de terrenos. Aquisições, como mencionou o executivo francês, também estão previstas, mas serão à parte desse valor. E, sobre isso, Magalhães não comenta.

 

No mundo, as vendas do Carrefour aumentaram para € 24 bilhões no primeiro trimestre, em relação aos 22,7 bilhões obtidos em igual intervalo de 2009. A receita na França, que representa cerca de metade do total, subiu pela primeira vez em seis trimestres.

 

O grupo anunciou ainda planos de recomprar ações pela primeira vez desde 2007. A ideia é adquirir 6% de seus papéis. Pela cotação de ontem, o movimento custaria € 1,6 bilhão.

 

"Foi um conjunto positivo de resultados", diz o analista Fabio Fazzari, da Equita Sim, em Milão. "A recompra e a tendência nos mercados emergentes, especialmente na América Latina e Brasil, foram boas notícias." Na América Latina, as vendas em lojas existentes há um ano cresceram 10%.

 

Veículo: Valor Econômico
 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

15/10/2019 12:00 - Consumo de orgânicos cresce, mas custo e acesso ainda são desafios
15/10/2019 11:05 - Brasileiro não abre mão do pãozinho e categoria industrializada cresce no País
14/10/2019 15:38 - Saudabilidade nas lancheiras
14/10/2019 12:02 - Comércio será obrigado a divulgar valor de desconto nas promoções aos clientes
14/10/2019 11:52 - A nova fase do Consumidor.gov.br
14/10/2019 11:50 - Informações sobre alergênicos em rótulos: saiba quais são os seus direitos
11/10/2019 14:48 - Kantar: Cereais matinais, bebidas lácteas e iogurtes são os produtos mais consumidos por crianças
07/10/2019 12:01 - Pagamentos instantâneos podem aumentar receita de bancos em US$ 500 bi
04/10/2019 12:01 - Internet das Coisas evita perda de alimentos no transporte frigorífico
01/10/2019 15:24 - Idosos são única faixa etária que mostra crescimento em consumo no Brasil

Veja mais >>>