Pesquisa Líderes de Vendas

Análise e Tendência

Logo SuperHiper

Um ano difícil, mas de recuperação


O ano de 2019 foi marcado pela retomada do crescimento. Apesar das perspectivas iniciais terem sido mais otimistas do que os resultados obtidos, o crescimento se mostrou satisfatório por ter sido consistente, quando analisado junto com outros indicadores, como a queda na taxa de desemprego, juros em patamares mais baixos e inflação controlada.


A cesta Nielsen, considerando todas as categorias e canais monitorados, encerrou o ano com crescimento de 4,9% em faturamento nominal e 1,7% em volume ponderado. O crescimento foi muito impulsionado pelo canal cash & carry (+13,7% em faturamento), não só pelas vendas médias, mas, principalmente, pela dinâmica de abertura de lojas (veja tabela com o desempenho dos canais).


Também podemos destacar o crescimento de 10,8% das farmácias de cadeia e, finalmente, os supermercados, que cresceram 5,4% em faturamento e 2,1% em volume ponderado. Aqui, vale destacar o crescimento de mais de três dígitos (122%) do canal e-commerce do autosserviço, ainda que a base de faturamento seja pequena quando comparada ao tamanho do canal. 


O forte crescimento veio não só pelo faturamento, mas também por meio do tíquete médio e número de pedidos. O resultado, em questão, também é consequência do desempenho das próprias cestas de consumo, com destaque para as cestas de limpeza e bebidas. Essa reação do mercado esteve mais localizada no Sudeste e um pouco mais tímida no Sul. Enquanto isso, as regiões Nordeste e Centro-Oeste ainda apresentaram performances negativas em volume (-0,8% e -0,4%, respectivamente), ainda que tenhamos visto um crescimento nominal no faturamento.


Comportamento do consumidor


Apesar do crescimento, muitos consumidores ainda sentem fortemente os efeitos da crise enfrentada nos últimos anos, com queda na renda, alta taxa de desemprego e baixo índice de confiança. E, nesse cenário, o consumidor segue fazendo muitas escolhas para adequar seu orçamento doméstico, mesmo depois do momento mais crítico da crise. Os consumidores, em geral, se mostram mais organizados, planejando compras com lista e muito atentos às promoções, sendo cada vez menos leais às lojas e marcas, o que abre uma janela de oportunidades para a ativação fora de loja ou mais personalizada. 


Clique aqui e leia a matéria na íntegra