(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

TRT-3ª - Grupo econômico pode ser reconhecido na fase de execução 21/10/2013 às 10h


A empresa integrante de grupo econômico pode ser chamada a responder pela execução, mesmo que não tenha participado da fase de conhecimento. A responsabilidade atribuída pelo artigo 2º, §2º, da CLT pode ser invocada a qualquer tempo. Esse o entendimento da 4ª Turma do TRT-MG, expresso em voto do desembargador Júlio Bernardo do Carmo, ao rejeitar a alegação da empresa de que não poderia ser responsabilizada pela execução porque não participou da formação do título executivo judicial e, portanto, não sofreu condenação.


Segundo esclareceu o relator, o reclamante ajuizou a reclamação apenas em face da empregadora, requerendo, na fase de execução, a inclusão da empresa integrante do mesmo grupo econômico para figurar como responsável solidária. E isso, conforme explicou, é permitido: "Com o cancelamento da Súmula 205 do TST em 2003, pela Resolução nº. 121/2003, o entendimento que agora prevalece é de que não mais se exige que o integrante de grupo econômico tenha participado do processo de conhecimento, o que autoriza que seja incluída a ora agravante, no pólo passivo na fase de execução", destacou.


No caso, a empresa insistia na inexistência de grupo econômico, sustentando que nunca se beneficiou da prestação de serviços pelo reclamante. E, por isso, pediu a reforma da decisão que julgou extinta a exceção de pré-executividade (meio de defesa, pelo qual o executado, por simples petição e sem garantia do juízo - ou seja, sem que a execução esteja garantida por depósito ou penhora - alega vícios e nulidades no processo) que ela interpôs alegando sua ilegitimidade para responder pela execução.


Rechando os argumentos da ré, o desembargador lembrou que, no âmbito trabalhista, a relação de coordenação entre os entes coligados autoriza o reconhecimento do grupo econômico. No caso, a análise de documentos revelou a identidade de sócios em comum entre a empresa empregadora e outra, em grupo familiar, bem como a coincidência nos objetos sociais das empresas, ambas atuantes na área de segurança. A interligação entre elas ficou clara para o magistrado, com participação de membros comuns a ambas as empresas no quadro societário, bem como a alternância societária através das alterações contratuais e a exploração do mesmo ramo de atividades.


O relator rejeitou ainda a tese de prejuízo ao devido processo legal, uma vez que o grupo econômico ficou provado por meio de documentos. Para ele, isto é suficiente para fundamentar a decisão recorrida, cabendo à empresa se valer dos embargos à execução, com a devida garantia do juízo, caso queira desenvolver a discussão sobre sua responsabilidade.


Processo:0000604-27.2011.5.03.0014 AP



Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região / AASP (18.10.2013)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Receita esclarece serviço de procuração para acesso ao e-cac colocado à disposição do contribuinte por meio do Dossiê Digital de Atendimento (DDA) 11 de Agosto 2020, às 17h
» Tribunal expande projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas 11 de Agosto 2020, às 16h
» Consumidor tem direito de troca imediata de bem essencial ao trabalho 11 de Agosto 2020, às 16h
» Dívida avalizada por empresa em recuperação pode ser incluída no quadro de credores 11 de Agosto 2020, às 16h
» Prorrogada validade de MP que criou conta de poupança social 11 de Agosto 2020, às 16h
» STJ – Tribunal não terá expediente nesta terça-feira (11) 11 de Agosto 2020, às 16h
» SAIBA COMO FICA O FUNCIONAMENTO DO TRT-2 NO DIA DO ADVOGADO 11 de Agosto 2020, às 16h
» TJDFT suspende expediente nesta terça-feira, 11/8, em virtude de feriado forense 11 de Agosto 2020, às 16h
» INSTITUCIONAL: Dia 11 de agosto não haverá expediente no TRF1 devido ao feriado regimental dia do Direito 11 de Agosto 2020, às 16h
» PGFN regulamenta Transação Excepcional para débitos apurados na forma do Simples Nacional 10 de Agosto 2020, às 15h

Ver mais »