(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Preços diferenciados não farão com que consumidor deixe de usar cartão 12/05/2010 às 09h


Economista da ACSP diz que só haverá abandono do plástico se preço for muito mais alto

Mesmo com preços diferenciados para cada forma de pagamento - medida defendida pelo Banco Central -, os brasileiros só deixarão de usar o cartão se o valor cobrado nesta modalidade estiver muito acima daquele aplicado no pagamento com cheque ou dinheiro. A afirmação é do economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), Marcel Solimeo.

"O cartão traz facilidades. Você não precisa ir até o caixa eletrônico tirar dinheiro. Aliás, dependendo do valor da compra, nem dá para sacar nos ATM´s. Sem falar que o cartão dá um tempo de pagamento para o consumidor, mesmo que ele não parcele. Por isso, acredito que o consumidor só vai abandonar o plástico se o valor for muito maior. Assim, como a alta de juros não faz com que o brasileiro pare de comprar, R$ 1 ou R$ 2 a mais no preço não impedirão o uso do cartão", afirma.

Dificuldades

O economista não defende o preço diferenciado. Segundo ele, dependendo da forma como essa medida for redigida, pode trazer muitas dificuldades ao comerciantes. 

"Para os grandes estabelecimentos, será muito complicado, operacionalmente falando, praticar dois preços. Se o comerciante tiver de colocar dois preços nas etiquetas, anúncios e vitrines, será uma burocracia muito grande. Agora, se o preço diferenciado puder ser praticado por meio de descontos, é diferente, pois fica mais fácil e menos burocrático".

Já para as pequenas empresas, Solimeo afirma que, se a sugestão do BC entrar mesmo em vigor, os impactos não serão muito grandes. "Para as empresas menores seria mais fácil. Algumas já fazem isso: cobram preços diferenciados oferecendo desconto para quem paga com dinheiro. Mas explicitar que são dois preços é complicado".

Ele garante ainda que, caso passe a ser permitida a cobrança de preços diferenciados, as grandes empresas não optarão por colocar nos produtos dois preços. "Acho que as empresas maiores vão preferir praticar um preço único, e diluir os custos no total, ou seja, os gastos que ela tem para aceitar os cartões serão incluídos no preço".

Questionado se isso não é injusto com os consumidores que não utilizam o cartão, Solimeo defende que não. "Não acho que isso prejudica o consumidor que não usa o cartão, já que os comerciantes que aceitam o plástico vendem mais, o que, de certa forma, compensa, já que os custos são bem distribuídos. O que acho injusto são os comércios que parcelam em muitas vezes no cartão e não dão descontos para quem paga à vista, no cheque ou dinheiro. Isso sim é uma discriminação com o consumidor que não tem o cartão".

Autor: Tabata Pitol Peres

InfoMoney

 

Fonte: Consumidor RS (12.05.10)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Nova lei regula depósito de benefício a quem teve salário reduzido e antecipa LGPD 18 de Setembro 2020, às 14h
» BC aperfeiçoa a regulamentação cambial 18 de Setembro 2020, às 14h
» TRT 1ª Região – Confira orientações sobre protocolo de classes processuais em segunda instância 18 de Setembro 2020, às 14h
» LEI 14.010/20 NÃO SE APLICA A PROCESSOS PRESCRITOS ANTES DE 10 DE JUNHO DE 2020 18 de Setembro 2020, às 14h
» TRT-RS alerta sobre o envio de e-mails falsos em nome da Justiça do Trabalho 18 de Setembro 2020, às 14h
» Seção de Direito Público lança publicação sobre uso da inteligência artificial nos tribunais 18 de Setembro 2020, às 14h
» 7ª edição da live Campeões do Ranking ABRAS reuniu executivos das redes Líder e CSD 17 de Setembro 2020, às 16h
» Comissão Mista da Reforma Tributária realiza debate com especialistas na sexta 17 de Setembro 2020, às 14h
» RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 422, DE 16 DE SETEMBRO DE 2020 17 de Setembro 2020, às 14h
» Receita Federal disponibiliza no e-CAC requerimento de adesão à transação tributária no contencioso administrativo de pequeno valor 17 de Setembro 2020, às 14h

Ver mais »