(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Desenvolvimento Econômico rejeita aumento da proteção a marcas registradas 10/06/2013 às 09h

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio rejeitou, na quarta-feira (5), proposta (PL 3074/11) que aumenta a proteção das marcas registradas. O texto também pretende tornar mais abrangente o conceito do crime de concorrência desleal e ampliar os critérios para a negação de novos registros.

 

Para o relator, deputado João Maia (PR-RN), além de não aumentar efetivamente a proteção das marcas já registradas, o projeto, originário do Senado, aumenta a burocracia dos processos de registro.


Em sua concepção, as proibições ao registro de uma marca não impedem seu uso indevido. "Quem pratica concorrência desleal não costumam recorrer ao poder público para obter proteção", afirma.

 

Registro


A Lei de Propriedade Industrial (9.279/96) já proíbe o registro de marca em que haja reprodução ou imitação, no todo ou em parte, de marca alheia, para o registro de produto ou serviço idêntico, semelhante ou afim, suscetível de causar confusão ou associação com marca já registrada.


O projeto acrescenta que a proibição do registro se estende aos casos em que a marca se destinar a produto ou serviço de diferente ramo de atividade, se o titular da marca demonstrar que a imitação configura concorrência desleal, prejuízo a sua imagem ou utilização indevida do seu prestígio.

 

Concorrência desleal


A lei atual também já define crime de concorrência desleal - usar ou imitar expressão ou sinal de propaganda alheios de modo a criar confusão entre os produtos ou estabelecimentos. Pela proposta, incorrerá ainda nesse crime quem praticar a chamada concorrência parasitária, que consiste em tirar proveito da fama de uma marca que não é sua concorrente.


Por fim, o projeto enquadra no crime de concorrência desleal quem usa ou imita marca, expressão ou sinal de propaganda alheios para denigrir a imagem de empresa, produto ou serviço, ainda que não concorrente no mesmo mercado.


João Maia destaca que tanto o prejuízo à imagem quanto o uso indevido da imagem corporativa já são devidamente contemplados na Lei de Propriedade Industrial. "A introdução de critérios de proibição tão amplos quanto subjetivos como prejuízo à imagemou utilização indevida de imagem corporativa ou prestígio certamente aumentará a quantidade de recursos contra os pedidos de registro". A consequência seria o aumento do tempo de análise desses processos.

 

Tramitação


O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (inclusive quanto ao mérito) e depois será votado pelo Plenário.


Íntegra da proposta:


PL-3074/2011


Reportagem - Maria Neves

 

Edição - Newton Araújo

 

 

Fonte: Agência Câmara Notícias (07.06.2013)

 




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Ministra nega substituição de depósito judicial tributário por seguro-garantia em razão da Covid-19 03 de Junho 2020, às 14h
» Projeto que incentiva doação de alimentos e refeições vai à sanção 03 de Junho 2020, às 14h
» Aprovada suspensão de reajuste de remédios e de planos de saúde 03 de Junho 2020, às 14h
» Exigência de comum acordo para ajuizamento de dissídio coletivo é constitucional 03 de Junho 2020, às 14h
» CMN regulamenta a sociedade de garantia solidária e a sociedade de contragarantia 03 de Junho 2020, às 14h
» Recibo de Férias: inibição durante o estado de calamidade pública 03 de Junho 2020, às 14h
» Governo publica MP que pode destravar crédito às pequenas e médias empresas 02 de Junho 2020, às 14h
» Prorrogada vigência de MP que cria linha de crédito para pagamento de salários 02 de Junho 2020, às 14h
» CNJ autoriza retomada de atividades presenciais a partir de 15 de junho 02 de Junho 2020, às 14h
» Com participação de advogados, Justiça deve manter julgamentos virtuais 02 de Junho 2020, às 14h

Ver mais »