(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Análise: Repasse integral aos consumidores é aposta incerta 12/03/2013 às 11h

Os primeiros meses de 2013 registraram inflação em alta e acima da esperada para o período. As apostas do governo de que a elevação da inflação era transitória começaram a se desvanecer nas últimas semanas.


De fato, caso não haja uma reversão concreta do ambiente inflacionário, o limite superior da meta de inflação será rompido mais adiante.


Em razão desse cenário, o governo começou a rever suas prioridades em relação à inflação, recolocando-a no centro das atenções.


Sob essa perspectiva, é reconhecido que a boa prática da política econômica sugere que um aperto monetário é o melhor instrumento para o combate à elevação da inflação.


Em outras palavras, a elevação da meta da taxa Selic por parte do BC seria o instrumento convencional indicado para esse caso.


No entanto, o governo se encontra em uma sinuca: ao mesmo tempo em que a inflação se mostra pressionada, a atividade econômica segue claudicando.


O bom resultado recente da produção industrial brasileira não apaga o fraco desempenho do PIB em 2012. A economia parece estar esboçando alguma recuperação na margem e, nesse sentido, uma elevação da taxa de juros neste momento poderia abortar esse processo.


Em face dessa problemática, o governo brasileiro faz uso de um instrumento pouco ortodoxo para tentar combater a alta da inflação: a desoneração de produtos da cesta básica.


Com isso, tenta evitar a elevação dos juros por parte do Banco Central.


A visão do governo é que essa medida venha a reduzir os preços desses produtos (ou pelo menos estancar a alta) e, com isso, o ritmo da alta de preços se desacelere.


Essa é uma aposta incerta: não é garantido que a desoneração promovida seja repassada integralmente para os preços.


Ela pode ser incorporada em parte ou integralmente pelos produtores caso exista a possibilidade disso.


Vale lembrar também que, mesmo que exista algum benefício do ponto de vista da inflação no curto prazo, ele ocorre uma única vez e, se a dinâmica inflacionária registrada nos últimos meses persistir, o governo poderá se ver no mesmo dilema atual em relação aos juros daqui a alguns meses.


ROGÉRIO MORI


ESPECIAL PARA A FOLHA


ROGÉRIO MORI é Professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EESP).

 


Fonte: Folha de São Paulo (12.03.2012)




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» Convenção ABRAS 2020 começa na próxima segunda-feira 23 de Outubro 2020, às 16h
» Governo revoga normas trabalhistas e apresenta eSocial simplificado 23 de Outubro 2020, às 14h
» Câmara de SP aprova em definitivo PL de renda emergencial 23 de Outubro 2020, às 14h
» Receita Federal do Brasil alerta para obrigatoriedade de procedimento relativo ao Processo Digital de Atendimento 23 de Outubro 2020, às 14h
» Receita Federal faz alerta sobre site falso 23 de Outubro 2020, às 14h
» INSS esclarece que pagamento de benefícios não serão suspensos por falta de reabilitação profissional 23 de Outubro 2020, às 14h
» Presunção de legitimidade justifica suspensão de decisão que desconsiderou certidão pública 23 de Outubro 2020, às 14h
» Caixa libera R$ 25 bilhões em crédito para micro e pequenas empresas 22 de Outubro 2020, às 14h
» SP – Secretaria da Fazenda e Planejamento amplia atendimento remoto ao contribuinte no SIPET 22 de Outubro 2020, às 14h
» Proposta estabelece regime especial de trabalho durante as pandemias 22 de Outubro 2020, às 14h

Ver mais »