(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Demora em determinação judicial para pagamento de débito sem atualização não gera multa para o devedor 21/02/2020 às 14h

​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao recurso de um credor por entender que o atraso na determinação judicial para que o devedor efetue o pagamento do débito, sem a respectiva atualização, não gera a incidência de multa nem a obrigação de pagar honorários advocatícios – desde que o devedor não tenha dado causa à demora.

 

Segundo o processo, o recorrente pediu o cumprimento de sentença de indenização por danos morais contra uma empresa, juntando memória de cálculo do débito, em 2 de dezembro de 2014. No entanto, apenas em 24 de junho de 2015, o juízo de primeiro grau proferiu despacho determinando a intimação da empresa para pagar o valor – o que foi cumprido.

 

O exequente entendeu que a obrigação foi paga de forma parcial, pois a executada não atualizou monetariamente o débito no período entre o pedido de cumprimento de sentença e a data do efetivo pagamento. Por isso, requereu que fosse aplicada a multa do artigo 475-J do Código de Processo Civil de 1973, bem como determinado o pagamento de honorários advocatícios.

 

Sem má-​​fé

 

Em primeiro grau, o pedido foi negado sob o fundamento de que não houve má-fé da empresa, que cumpriu integralmente o comando judicial ao pagar exatamente o valor apontado pela parte credora. Afinal, o despacho tinha sido omisso em relação à necessidade de atualização do débito, razão pela qual não poderia a executada ser prejudicada com a condenação em multa e honorários.

 

Contudo, na mesma decisão, foi determinado o pagamento do valor correspondente à atualização monetária, no prazo de 15 dias. O exequente interpôs recurso, o qual foi desprovido pelo Tribunal de Justiça do Paraná.

 

Ao STJ, o credor argumentou que o CPC não exige a caracterização de má-fé do devedor para efeito da incidência de multa e honorários em caso de pagamento parcial do débito em cumprimento de sentença.

 

Equívoco proc​​edimental

 

O relator no STJ, ministro Marco Aurélio Bellizze, explicou que o CPC de 1973 estabelecia, em seu artigo 47​5-B, que, quando a determinação do valor da condenação dependesse apenas de cálculo aritmético, o credor deveria instruir o pedido de cumprimento com a memória discriminada e atualizada do cálculo. Se o juízo concordasse com o valor indicado pelo credor, o devedor seria intimado a pagá-lo.

 

Para o ministro, esse procedimento foi rigorosamente cumprido no caso dos autos. A peculiaridade – observou – foi a demora excessiva do juízo de primeiro grau em determinar a intimação do devedor para pagamento do valor indicado – mais de sete meses –, o que gerou um saldo remanescente relacionado à correção monetária do período.

 

"Levando-se em conta que o equívoco no procedimento adotado foi causado pelo Poder Judiciário, somado à inércia do próprio credor em se manifestar nos autos pugnando pela necessidade de nova atualização do débito, não se revela possível imputar o ônus à executada, que não deu causa e tampouco contribuiu para o equívoco procedimental", disse o relator.

 

O ministro destacou que o problema causado pela demora na intimação foi solucionado pelo magistrado, pois evitou o prejuízo do credor ao determinar que a diferença correspondente à atualização fosse objeto de novo depósito – que, de fato, ocorreu –, sem, no entanto, punir o devedor com multa e honorários sucumbenciais por algo a que não deu causa.

 

Leia o acórdão.

 

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):REsp 1698579

 

Fonte: STJ, 21/02/2020

 




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Governo Federal lança Perguntas e Respostas para o setor produtivo 03 de Abril 2020, às 12h
» Rejeitadas liminares em mais quatro ADIs contra alterações trabalhistas durante pandemia 03 de Abril 2020, às 12h
» Multas por demora no atendimento em SACs são suspensas 03 de Abril 2020, às 12h
» Por Covid-19, Juiz suspende pagamento de dívida bancária de empresa 03 de Abril 2020, às 12h
» Negada prorrogação de vencimento de tributos estaduais 03 de Abril 2020, às 12h
» Regras estaduais de isolamento devem prevalecer sobre municipais, diz juíza 03 de Abril 2020, às 12h
» Receita flexibiliza recepção de documentos para serviços emergenciais disponibilizados pelo atendimento presencial 03 de Abril 2020, às 12h
» Empresas poderão prorrogar reembolso de shows e pacotes turísticos 03 de Abril 2020, às 12h
» TRF2 nega libertação de presos em grupo de risco para coronavírus 03 de Abril 2020, às 12h
» Para Quarta Turma, falta de informação sobre preço, por si só, não caracteriza propaganda enganosa 03 de Abril 2020, às 12h

Ver mais »