(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

STJ suspende acórdão do TJ-SP que revisava plano de recuperação de empresa 14/05/2019 às 14h

O ministro Paulo de Tarso Sanseverino, do Superior Tribunal de Justiça, suspendeu acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo que revia, de ofício, plano de recuperação das empresas Líder e Prime Net Tecnologia.

 

As empresas credoras haviam desistido dos recursos apresentados, mas eles foram apreciados na segunda instância mesmo assim, o que poderia complicar o andamento processual, já que havia a intenção de formular um novo plano de recuperação.

 

Na decisão, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino faz referência às duas correntes doutrinárias majoritárias sobre o tema da desistência de recurso e a atitude de magistrados diante da nova virada de posição. "A linha argumentativa desenvolvida pelas requerentes possui um considerável grau de plausibilidade, suficiente a amparar o pedido de tutela provisória de urgência", concluiu.

 

Em segundo lugar, ele disse estar demonstrada a necessidade da cautelar, considerando a determinação de "anulação do plano de recuperação judicial, a fim de que outro seja apresentado no prazo de 45 dias, com a exclusão das inconsistências referidas", "evitando-se a realização de atos processuais custosos e que poderão se mostrar desnecessários caso haja o provimento do recurso especial".

 

Decisão do TJ

No caso, o TJ-SP havia acatado um pedido de uma das credoras depois que ela desistiu do próprio recurso. O tribunal decidiu, ainda, acerca do mérito da questão trabalhista, afetando credoras que não participaram do pedido. Cerca de 90% do passivo da empresas, de mais de R$ 150 milhões, é de créditos trabalhistas.

 

Em assembleia geral realizada em 2017, os credores haviam determinado prazo de pagamento de cinco anos, período maior que o que determina a Lei de Recuperação Judicial. De acordo com a defesa das empresas, feita pelo advogado Marcus Vinícius Vita Ferreira, do Wald, Antunes, Vita, Longo e Blattner Advogados, o próprio sindicato da categoria apresentou manifestação endossando o que foi decidido em assembleia.

 

Três credores quirografários — ou seja, que não têm nenhuma preferência em caso de falência ou concordata, sendo pagos depois de todos os outros — apresentaram agravo de instrumento contra o plano de recuperação deliberado, mas formularam pedidos de desistência depois. O TJ-SP homologou pedidos de dois deles, mas o da Unidas não foi homologado. Além disso, os prazos de pagamentos foram revistos.

 

"A assembleia geral é soberana e, nesse caso, em nome do princípio da realidade, porque essa é a forma de eficaz de receber, ela decidiu pelo prazo mais alargado. Depois do acórdão do TJ-SP, já tinha até uma assembleia designada para o fim de maio, onde teriam que, mais uma vez, ir para assembleia talvez para decidir algo impossível de ser cumprido. Até porque, se possível, eles já teriam decidido na primeira assembleia por receber em menos tempo", explicou Vita Ferreira.

 

Leia aqui a íntegra da decisão do ministro Paulo de Tarso Sanseverino.

 

Pet 2.025

 

Ana Pompeu – Repórter da revista Consultor Jurídico.

 

Fonte: Revista Consultor Jurídico – 13/05/2019.




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Ministro nega recurso em ação sobre correção de dívidas trabalhistas 03 de Julho 2020, às 14h
» Senado aprova MP que prorroga prazo para assembleias de sócios 03 de Julho 2020, às 14h
» Promulgada emenda que adia eleições municipais para novembro 03 de Julho 2020, às 14h
» Covid-19: sancionada lei que torna obrigatório uso de máscaras 03 de Julho 2020, às 14h
» Alerta sobre o aviso nº 43 do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro 03 de Julho 2020, às 14h
» Decreto atualiza o Regulamento da Previdência Social às regras da Nova Previdência 03 de Julho 2020, às 14h
» A equivocada discussão sobre o voto de qualidade no Carf 02 de Julho 2020, às 14h
» Transação extraordinária e transação por adesão são prorrogadas 02 de Julho 2020, às 14h
» Receita Federal prorroga até 31 de julho suspensão das ações de cobrança e mantém atendimento presencial para os serviços essenciais 02 de Julho 2020, às 14h
» Aumentar preços injustificadamente durante pandemia poderá ser crime contra economia popular 02 de Julho 2020, às 14h

Ver mais »