(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Correção de imposto sobre bebidas ocorrerá uma vez por ano 24/03/2011 às 10h

 

A Receita Federal anunciou nesta terça-feira (22) que a correção dos impostos incidentes sobre as chamadas bebidas frias - como cerveja, água e refrigerante - ocorrerá pelo menos uma vez por ano.


A medida segue o novo modelo de tributação para o setor, que ainda não havia sido implementado, apesar de ter sido aprovado no fim de 2008. Até esta data, essas bebidas eram tributadas com base em um valor fixo por unidade produzida, não como percentual do preço, e os impostos eram reajustados a cada quatro anos.


Em 2008, o governo mudou a tributação para uma alíquota percentual não sobre o preço final (das prateleiras), mas sobre uma tabela de referência desenvolvida pela FGV (Fundação Getulio Vargas). Se a tabela constat ar alta de preços de referência, a base de cálculo aumenta, assim como a tributação, mesmo sem majoração da alíquota percentual.


Os preços de referência servem de base para a cobrança do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), o PIS e a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido).


A crise


Segundo o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, o novo modelo previa correção periódica da tabela de referência, o que foi descartado, por conta da crise econômica. Apenas em janeiro de 2009 é que foi praticado um ajuste.


"Em função da crise, a tabela de referência não foi revista. Agora, vamos pôr em prática o modelo de tributação negociado com o setor", afirmou, segundo a Agência Brasil.


O secretário afirmou que a Receita já concluiu todos os estudos para a revisão da tabela, o que só depende de assinatura de decreto pela presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele negou que isso venha a ocorrer em 60 dias, como informou o setor na semana passada.


O secretário da Receita estimou entre 10% e 15% o aumento dos preços de referência. Ele, no entanto, disse que não necessariamente haverá repasse total dos impostos maiores para os preços finais. "Quem repassar tudo pode sofrer retração de mercado. Isso é concorrência ", avaliou.


Fonte: JusBrasil (24.03.11)

 




Clipping Portal ABRAS


Últimas

» BC modifica regulamento que disciplina funcionamento do Pix 23 de Novembro 2020, às 16h
» Receita anuncia regras para declaração do IRRF de 2020 23 de Novembro 2020, às 16h
» Empresa não é obrigada a cumprir oferta quando erro no preço for de fácil constatação 23 de Novembro 2020, às 16h
» Reajustes de planos de saúde voltam a ser pagos em janeiro 23 de Novembro 2020, às 16h
» Mediação empresarial pré-processual para empresas impactadas pela pandemia de Covid-19 23 de Novembro 2020, às 16h
» Pleno determina realização de audiência mista para atender parte que alegou não ter condições técnicas para participar de videoconferência 23 de Novembro 2020, às 16h
» Uso do WhatsApp agiliza audiências de conciliação e mediação em MG 23 de Novembro 2020, às 16h
» TRF 1ª Região – INSTITUCIONAL: PJe ganhará nova versão do sistema 23 de Novembro 2020, às 16h
» Estados e DF podem legislar sobre postagem de boletos de empresas públicas e privadas 20 de Novembro 2020, às 16h
» TST admite recurso contra decisão monocrática que rejeita agravo por ausência de transcendência 20 de Novembro 2020, às 16h

Ver mais »