(299)
Jurídico
Apresentação
Membros do Comitê
» Notícias Jurídicas
 
Você está em:

Comitês

Ministros vedam prisão de depositário infiel 16/12/2016 às 10h

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou seu posicionamento contrário à prisão civil de responsável por retenção de tributos de terceiros que não foram repassados ao Fisco. Ontem, o Plenário declarou inconstitucional a Lei nº 8.866, de 1994, que trata especificamente do chamado "depositário infiel" de valores pertencentes à Fazenda Pública.

 

A decisão, unânime, foi dada em ação direta de inconstitucionalidade (Adin) da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Ontem foi julgado o mérito, 22 anos depois de concedida liminar à entidade.

 

No julgamento de ontem, porém, o entendimento foi ampliado. De acordo com o advogado da CNI, Leonardo Estrela, o Supremo contemplou também sócios e empresários que poderiam ser responsabilizados. O depositário infiel é aquele responsável pela guarda de um bem que não lhe pertence e é perdido ou estraga.

 

O artigo 4º da Lei nº 8.866 prevê que a Fazenda Nacional ou representantes de Estados, Distrito Federal ou do INSS podem pedir a pena de prisão. Ela seria decretada para período não superior a 90 dias, nos casos em que os valores em questão não fossem recolhidos ou depositados.

 

Se o depositário infiel é uma empresa, a prisão pode ser decretada contra seus diretores administradores, gerentes ou empregados que movimentem recursos financeiros, segundo a lei. Mas esse dispositivo nunca foi usado pela Fazenda Nacional, segundo Estrela.

 

No Supremo prevaleceu o voto do relator, Gilmar Mendes. Segundo o ministro, na época da medida provisória já existia a Lei de Execução Fiscal e a possibilidade de medida cautelar fiscal. Existia, portanto, instrumentos adequados à cobrança tributária.

 

O mecanismo está em "franco desuso", já que o Fisco tem outros meios de cobrança. A retirada da prisão civil por dívidas também tira o objetivo da Lei nº 8.866, segundo o relator.

 

Em julgamento realizado em 2008, o Supremo já havia estendido a proibição de prisão civil por dívida, prevista na Constituição Federal, à hipótese de depositário infiel. Porém, não havia analisado especificamente a Lei nº 8.866.

Desde 2009, a Súmula Vinculante nº 25 estabelece que "é ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito".

 

Por Beatriz Olivon | De Brasília

 

 

Fonte : Valor Econômico (16.12.2016)




Clipping Portal ABRAS


 

Últimas

» Justiça suspende decreto municipal que autorizava abertura do comércio em Duque de Caxias 26 de Maio 2020, às 14h
» Vai à sanção projeto que proíbe desligamento de serviços às sextas-feiras 26 de Maio 2020, às 14h
» NJ - Juíza constata amizade íntima entre reclamante e testemunha após ver foto postada no Instagram 26 de Maio 2020, às 14h
» Falta de apresentação de um dos títulos na ação monitória não compromete a cobrança dos demais 26 de Maio 2020, às 14h
» STF moderniza pesquisa de jurisprudência e facilita acesso aos usuários 26 de Maio 2020, às 14h
» Alesp aprova antecipação do feriado de 9 de julho para próxima segunda-feira (25) em SP 22 de Maio 2020, às 14h
» Câmara aprova regras diferenciadas para recuperação judicial de empresas durante pandemia 22 de Maio 2020, às 14h
» Atos de agentes públicos durante a pandemia devem observar critérios técnicos e científicos 22 de Maio 2020, às 14h
» Guedes estuda nova versão da Carteira Verde Amarela 22 de Maio 2020, às 14h
» Cláusula de impenhorabilidade inserida por doador de imóvel não se aplica à execução trabalhistac 22 de Maio 2020, às 14h

Ver mais »