Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 











Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

14/05/2020 16:13 - Com pandemia, comércio tem o pior março desde 2003

Com a pandemia do coronavírus, as vendas no comércio recuaram 2,5% em março em relação a fevereiro, no pior desempenho para o mês desde 2003, segundo o IBGE. As exceções em um cenário de forte retração no setor foram as vendas de produtos como alimentos e bebidas em supermercados, que tiveram um salto de 14,6% na mesma base de comparação, impulsionadas pelas compras de maiores volumes no início do período de isolamento social dos que podem ficar em casa. Além disso, houve alta de 1,3% nas vendas de produtos farmacêuticos.

Segundo especialistas, o cenário para o varejo como um todo é de resultados ainda mais negativos nos meses seguintes. Para Rodolpho Tobler, economista do Ibre/FGV, o cenário esperado para abril é de queda mais acentuada:

— O principal cenário que podemos imaginar é que esse não é o fundo do poço. Ainda pode cair mais. Por mais que os setores de supermercados e farmacêuticos sofram menos do que os demais, por comercializarem produtos essenciais, o resultado de abril pode ser ainda pior. Imaginar uma recuperação no curto prazo é muito difícil. E não na mesma velocidade dessa queda.

Tobler acrescenta que nem mesmo o salto nas vendas de alimentos deve se repetir nos próximos meses.

—O comportamento de antecipação que o consumidor fez em março, não deve ser observado em abril porque a população foi vendo que não há risco de desabastecimento. Não há uma expectativa que essa atividade tenha um resultado tão expressivo.

Na avaliação de Cristiano Roberto dos Santos, gerente da Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, coma configuração registrada em março, o peso do segmento de hiper e supermercados no varejo subiu de pouco menos de 50% para 55% em março, o que contribuiu para evitar uma queda mais acentuada do indicador. Ele avalia que a adaptação do varejo à quarentena pode contribuir para evitar uma deterioração mais radical em abril.

— Ainda que o resultado de março se baseie em 15 dias de isolamento social, não podemos prever que abril será muito pior. Tem um tempo de aprendizado das outras atividades de vender por delivery, por exemplo.

QUEDA NA RENDA

Segundo relatório do banco Fator, o desempenho em março foi melhor do que o esperado pelo mercado, que previa retração de 4,7%, poisos dados do setor de supermercados não foram divulgados atempo de serem incluídos nas projeções. De acordo com o banco, é difícil prever o potencial dos investimentos das empresas nas vendas on-line e a ampliação dos produtos encontrados em plataformas como aplicativos de entrega .“Contudo, a esperada severa contração na renda de diversas famílias deve ser o componente principal desta equação, afetando o consumo como um todo, inclusive as vendas em supermercados”, diz o relatório.

Seis das oito atividades pesquisadas registraram quedas, principalmente aquelas que tiveram suas lojas físicas fechada sem algumas cida desdo paísa partir da segunda quinzena do mês, quando teve início o isolamento social daqueles que podem ficar em casa num esforço para conter o avanço da pandemia. O setor mais afetado foi ode tecidos, vestuários e calçados, com retração de 42,2%. Outras baixas significativas no período foram as vendas de artigos de uso pessoal (-27,4%) e móveis e eletrodomésticos (-25,9%).

No comparação com março do ano passado, houve recuo de 1,2% nas vendas. No primeiro trimestre deste ano, porém, o setor ainda acumula alta de 1,6%.

O resultado do varejo se soma a uma série de indicadores negativos do mês de março. A indústria recuou 9,1%, na maior retração desde a greve dos caminhoneiros, em maio de 2018. O setor de serviços, de maior peso no PIB, despencou 6,9% em março, no pior resultado desde o início da série histórica, em 2011. Os números evidenciam o baque que a economia deve sofrer no primeiro trimestre em razão do coronavírus, mas, na avaliação de especialistas, também indicam que a magnitude da crise só será integralmente refletida nos dados do segundo trimestre. 

 

Fonte: O Globo

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

03/06/2020 15:48 - Vendas na capital paulista recuam 67% em maio, diz ACSP
03/06/2020 15:37 - Auxílio Emergencial: Caixa libera saques da 2ª parcela para nascidos em abril
03/06/2020 15:35 - Indústria do Brasil tem perdas recordes em abril com queda generalizada da produção
03/06/2020 15:14 - Aos trancos e barrancos, reabertura da economia avança no Brasil
03/06/2020 14:57 - Comércio protocola ações de segurança para reabertura em São Paulo
03/06/2020 14:43 - Vendas no varejo têm queda de 31,8% em abril
03/06/2020 14:32 - Consumo em restaurantes ainda é o mais afetado pela pandemia
03/06/2020 14:17 - Diretor do BC diz que não vê Selic em 2,25% ao ano como nível que não possa ser cruzado
02/06/2020 16:44 - Confiança do empresário do comércio em maio tem a maior queda da série, diz CNC
02/06/2020 16:34 - Caixa libera saques e transferências da 2ª parcela para nascidos em março
02/06/2020 16:26 - Após queda do PIB, governo quer incentivar exportações
02/06/2020 16:16 - BC defende manutenção de meta de inflação para 2020
02/06/2020 16:07 - O desemprego na pandemia: mais que Direito e Economia
02/06/2020 15:55 - O impacto da pandemia nos mercados financeiros
02/06/2020 14:22 - Governo oferece garantia em empréstimo para pequena e média empresa

Veja mais >>>