Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

05/12/2019 13:17 - Cesta básica sobe em 9 de 16 capitais e carne fica mais cara em todas as regiões do país

O conjunto de itens da cesta básica subiu em 9 das 16 cidades pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos (Dieese) em novembro, com destaque para o preço da carne que aumentou em todas as cidades pesquisadas, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (5).


As maiores altas no preço da cesta básica ocorreram em Vitória (7,89%), Florianópolis (4,45%) e Campo Grande (3,12%). Já as quedas mais importantes foram anotadas em Porto Alegre (-2,03%) e Curitiba (-1,95%) e em São Paulo (-1,64%).

 

Segundo o Dieese, a alta no preço da carne bovina de primeira variou entre 1,15%, em Recife, e 19,37%, em Vitória.

 

"Altos volumes de carne têm sido exportados para a China, devido ao ano novo chinês; o período também é de entressafra bovina e o custo de reposição do bezerro está muito alto. Por fim, o dólar desvalorizado estimulou as exportações. Todos esses fatores encareceram o valor da carne no varejo", destacou o Dieese.

 

Os outros destaques de alta nas capitais no mês foram o óleo de soja (entre 0,25% e 4,66%) e o feijão (entre 1,27% e 5,77%). Já os preços do tomate e da batata diminuíram na maior parte das cidades.

 

No acumulado em 12 meses, 9 capitas registram altas no preço médio da cesta básica, que oscilaram entre 0,30%, em Campo Grande, e 13,10%, em Vitória. Já a queda mais intensa ocorreu em Aracaju (-6,96%).

 

Em novembro, a capital com a cesta mais cara foi Florianópolis (R$ 478,68), seguida de São Paulo (R$ 465,81), Vitória (R$ 462,06) e Rio de Janeiro (R$ 455,37). Os menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 325,40) e Salvador (R$ 341,45).

 

Apesar da alta dos alimentos nesta final de ano, a inflação segue em patamar baixo em 2018. Em 12 meses até novembro, o IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou para 2,67%, abaixo dos 2,72% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

 

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 5% ao ano - a menor da série histórica do BC, que começou em 1986.

 

Fonte: G1

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

21/02/2020 12:23 - Confiança do comércio cresce em fevereiro e retorna ao patamar de 1 ano atrás
21/02/2020 12:20 - Brasileiros acreditam que inflação ficará em 5% nos próximos 12 meses
21/02/2020 12:08 - Vendas no comércio varejista crescem 3,6% em janeiro, diz Serasa
21/02/2020 11:35 - Preços de vestuário e alimentos caem e IPCA-15 tem menor fevereiro desde 1994
20/02/2020 11:35 - Instalada comissão mista do Congresso que analisará reforma tributária
20/02/2020 11:34 - BC altera regras do compulsório e injeta R$ 135 bilhões na economia a partir de março
20/02/2020 11:25 - Recuperação gradual da economia brasileira atinge todas as regiões
20/02/2020 11:18 - Vendas do varejo na Capital aumentam 1,8%
19/02/2020 15:44 - Apesar do 2019 decepcionante, confiança na indústria está com tudo
19/02/2020 15:43 - Economia brasileira continua a se recuperar mesmo com incerteza no cenário externo, diz BC

Veja mais >>>