Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 











Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

10/03/2020 11:04 - Heineken investirá R$ 865 milhões em cervejaria no Paraná

A Heineken vai fazer uma grande expansão na capacidade de produção de sua cervejaria em Ponta Grossa (PR), em um investimento de 865 milhões de reais a ser aplicado entre este ano e 2021 e que vai se concentrar nos rótulos Heineken e Amstel.

A companhia fez o anúncio nesta segunda-feira, mas não informou a capacidade nominal da fábrica, a terceira maior da Heineken no Brasil. A empresa também não deu detalhes sobre o volume pretendido com a expansão, comentando apenas que após os investimentos a capacidade será ampliada em 75%. A ampliação da fábrica será feita gradualmente, com os primeiros resultados esperados já para este ano.

Estamos antecipando em um ano todos os investimentos de nosso plano estratégico. O Brasil é um mercado-chave para nós, representa um volume muito grande, disse o presidente-executivo da Heineken no Brasil, Mauricio Giamellaro, ao ser questionado sobre o momento para o realização do investimento, marcado por um ainda fraco crescimento da economia e fortes turbulências internacionais.

Um investimento como este não se toma pensando no curto prazo. As duas marcas (Heineken e Amstel) estão crescendo muito aceleradamente no país. A categoria de cervejas no Brasil é extremamente grande. Tem um mercado enorme e consumidores novos entrando na categoria, disse o executivo. Basicamente estamos fazendo uma nova cervejaria, acrescentou.

Em fevereiro, a Heineken, segunda maior cervejaria do mundo, afirmou em Bruxelas que os volumes de venda de cerveja do grupo subiram 4,1% no quarto trimestre, puxados por avanços mais fortes no Brasil, Camboja e Vietnã. A Heineken também afirmou na ocasião que o Brasil atualmente é o maior mercado da marca no mundo, na frente de Estados Unidos e da Europa.

O crescimento da Heineken no Brasil tem reduzido a distância para a líder de mercado Ambev, algo acelerado após ter acertado em 2017 a aquisição das operações da japonesa Kirin no país por 1,2 bilhão de dólares. Na época, o negócio dobrou a participação da empresa no mercado brasileiro, para quase 20%. A Heineken afirma atualmente ter 22% do mercado nacional.

O investimento em Ponta Grossa foi decidido depois que a companhia aprovou no ano passado aporte de 550 milhões de reais na modernização de três cervejarias e de uma microcervejaria no interior de São Paulo. O anúncio também ocorreu um dia depois da Ambev divulgar que planeja investir 2 bilhões de reais na abertura de uma nova fábrica de cerveja no Norte do Brasil, uma nova maltaria no Sudeste, uma instalação de produção de latas e linhas adicionais de produção de cervejas puro malte no país.

Giamellaro evitou mencionar números da operação da Heineken no Brasil, mas afirmou que o investimento em São Paulo mais do que já se pagou.A prova disso é que conseguimos aprovar (o investimento em) Ponta Grossa.

Segundo ele, um dos grandes objetivos na ampliação da cervejaria no Paraná é o lançamento de novos produtos, incluindo a versão sem álcool da Heineken, que começará a ser vendida no país no segundo trimestre. Muito do investimento será destinado à Heineken, disse o executivo.

O produto já é vendido no México e em mais de 50 países. Até hoje, cerveja sem álcool era um mercado de nicho. Vamos criar um mercado novo para a cerveja, disse Giamellaro, acrescentando que o produto será vendido na mesma faixa de preço da Heineken com álcool.

No fim do mês passado, o novo presidente da Ambev, Jean Jereissati Neto, afirmou a analistas que a companhia vai manter política de preços em linha com a inflação no Brasil, mas que precisa ser mais atenta às dinâmicas de mercado, uma resposta a questionamentos sobre as perspectivas da companhia em um momento em que rivais têm avançado sobre o mercado mainstream, que no caso da Heineken é disputado pela Amstel.

Giamellaro afirmou que o impacto da agressividade comercial dos concorrentes no Brasil tem sido menor sobre a Heineken, uma vez que a empresa está construindo uma estratégia de marcas premium e qualidade. O impacto que sofremos de concorrência é muito menor, disse o executivo sem dar detalhes.

No país, além da Heineken, posicionada no segmento premium, e da Amstel, no segmento mainstream, a cervejaria holandesa tem rótulos econômicos como Glacial e Kaiser, também produzidas em Ponta Grossa. 

 

Fonte: Exame          

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

24/03/2020 11:49 - Ambev desiste de projeções de desempenho para 2020
18/03/2020 17:03 - Ambev produzirá álcool em gel para doar a hospitais públicos
12/03/2020 11:17 - Vinho importado pode ficar até 10% mais caro em abril
11/03/2020 11:18 - Brand Factory, da Pernod Ricard, quer transformar as bebidas no Brasil
10/03/2020 11:07 - Itaipava lança a sua Puro Malte
02/03/2020 11:55 - Uísque com churrasco: como o Jack Daniel’s dobrou as vendas Brasil
28/02/2020 11:09 - Cervejaria AB InBev tem queda no lucro
27/02/2020 10:16 - Ambev: lucro líquido atribuído a controlador tem alta de 22% no 4° trimestre
26/02/2020 11:56 - Dona da Ambev compra vinícola argentina Dante Robino
26/02/2020 11:54 - 3corações: O plano da gigante do café pós-aquisições
18/02/2020 11:02 - WOW! Nutrition apresenta Sufresh 100% Fruta
17/02/2020 12:08 - Coca-Cola tem primeira mulher no comando do marketing no Brasil
14/02/2020 12:19 - Brasil se torna o maior mercado da Heineken
12/02/2020 15:42 - Tendências de consumo no mercado de vinhos em 2020
06/02/2020 12:00 - Estrella Galicia retoma projeto de produzir cervejas em Minas

Veja mais >>>