Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

19/10/2016 12:32 - Setor de bebidas contesta a suspensão do Sicobe

Os grandes fabricantes do setor de bebidas contestam a norma publicada nesta terça-feira, 18, pela Receita Federal, que desobriga as empresas de usarem o sistema de controle de produção Sicobe a partir do dia 13 de dezembro deste ano. De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não-alcoólicas (ABIR), Alexandre Jobim, a publicação da medida surpreendeu o setor, que ainda espera poder discutir com a Receita alternativas para o sistema.
 
O contrato com a empresa prestadora de serviços do Sicobe se encerra em 12 de dezembro e o ato declaratório número 75, publicado no Diário Oficial da União, reforça uma intenção que a Receita já havia comunicado às empresas: que não haveria renovação. Conforme o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou, representantes das grandes fabricantes de bebidas do Brasil haviam escutado que essa era a determinação da Receita já na última sexta-feira, durante uma reunião em Brasília.
 
Criado em 2008, o Sicobe é um sistema de controle físico da quantidade exata de litros de cervejas e refrigerantes fabricados no País. O sistema passou a ser questionado após ter sido envolvido em investigação de fraude na Operação Esfinge, da Polícia Federal. A Receita tem ainda informado em encontros com os empresários que considera o Sicobe excessivamente caro: o custo é calculado em R$ 1,5 bilhão por ano.
 
“Não abrimos mão de ter esse controle físico da produção e consideramos que essa medida da Receita abre uma brecha para a sonegação”, disse Jobim ao Broadcast. O executivo, que representa algumas das maiores fabricantes de refrigerantes do País, avalia que há alternativas de mais baixo custo. Um estudo encomendado pelas empresas à FGV afirmou que um sistema de controle físico com novas tecnologias poderia custar 70% menos.
 
A Abir questiona ainda a validade do ato publicado pela Receita. A entidade considera que o controle físico não pode ser encerrado apenas por ato da Receita, uma vez que sua criação tem como base uma lei, a 10.833, de 2003. Apesar disso, Jobim afirma que o setor não deve contestar a medida judicialmente. “Não chega ao ponto de tomarmos uma decisão dessa natureza”, afirmou.
 
A ideia de que o fim do controle físico estimula a sonegação é contestada pelos pequenos produtores representados pela Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras). A entidade defende a entrada em vigor do controle de estoque pelo chamado “Bloco K”, previsto para entrar em vigor a partir de janeiro de 2017.
“O controle de estoque é muito mais eficiente que qualquer outro tipo de controle fiscal, é impossível forjar”, diz o presidente da entidade, Fernando Rodrigues de Bairros. Já a Abir afirma que o Bloco K não é um substituto eficiente para o controle feito pelo Sicobe.
 
Fonte: Jornal do Comércio de Porto Alegre

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

18/02/2020 11:02 - WOW! Nutrition apresenta Sufresh 100% Fruta
17/02/2020 12:08 - Coca-Cola tem primeira mulher no comando do marketing no Brasil
14/02/2020 12:19 - Brasil se torna o maior mercado da Heineken
12/02/2020 15:42 - Tendências de consumo no mercado de vinhos em 2020
06/02/2020 12:00 - Estrella Galicia retoma projeto de produzir cervejas em Minas
06/02/2020 11:57 - Concorrentes avançam sobre a Ambev
05/02/2020 12:04 - Em ritmo oposto ao da indústria, produção de bebidas alcoólicas cresce 4,8% em 2019
04/02/2020 11:40 - Coca Cola vai digitalizar ponta de gôndolas no PDV
03/02/2020 12:41 - Unilever estuda vender a marca Lipton
31/01/2020 12:50 - Varejo 4.0: lojas sem caixa nem estoque exigem mudanças nos vendedores

Veja mais >>>