Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 











Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

01/08/2016 11:28 - Segmento premium pode amenizar queda nas vendas de cerveja no País

De acordo com a Ambev, que detém 70% do mercado brasileiro, enquanto em países vizinhos, como o Chile, as bebidas especiais já representam 15% dos negócios, no Brasil fatia é de só 10%

 



São Paulo - A indústria brasileira de cerveja deverá intensificar os investimentos nas bebidas premium para conseguir reverter a tendência de queda nas vendas nos próximos meses.
 
Dados do Sistema de Controle da Produção de Bebidas (Sicobe), da Receita Federal, mostram que a produção de cerveja vem caindo mês a mês na comparação com o ano anterior. Em julho, até sexta-feira (29), foram produzidos 888 milhões de litros de cerveja, o nível mais baixo para o mês dos últimos cinco anos. Um ano antes a marca foi de 985 milhões de litros.
 
Uma pesquisa realizada pela Consultoria Mintel indica que, apesar da retração econômica que vem puxando para baixo as vendas de cervejas, o brasileiro estaria mais interessado em consumir bebidas especiais.
 
"Há uma percepção do consumidor de que vale a pena pagar mais por conta do cuidado especial envolvido no processo de fabricação dessas cervejas", acrescenta o especialista da Mintel, Andre Euphrasio. De acordo com o levantamento, 18% dos entrevistados pagariam mais por cervejas envelhecidas em barris, mesmo processo realizado na produção de uísque, por exemplo.
 
O potencial de expansão do segmento premium e as elevadas margens de ganhos têm feito as cervejarias investirem cada vez mais nisso. Segundo o presidente da Ambev, Bernardo Paiva, a companhia vai dirigir esforços para o segmento nos próximos semestre. A gigante detém rótulos especiais como Bohemia, Budweiser e Stella Artois.
 
"Este segmento será um dos focos da companhia devido à tendência de crescimento e por trazer faturamento. Além disso, ainda é um segmento subdesenvolvido em relação a outros mercados da América Latina" afirmou o executivo à jornalistas na sexta-feira (29).
 
Ele explicou que em países como Chile as vendas na categoria premium representam 15% do mercado de cervejas, enquanto no Brasil essa participação chega a apenas 10%.
 
O analista Andre Euphrasio avalia que todas as cervejarias devem investir nesse potencial, visto a capacidade de geração de receita. "Todas as grandes cervejarias estão investindo fortemente nisso porque são produtos mais lucrativos. Mesmo com a recessão econômica, os consumidores ainda gastam com o premium para fazer um agrado a si mesmos", comenta ele.
 
A Ambev, por exemplo, registrou crescimento de dois dígitos na receita líquida e volume de premium no segundo trimestre sobre um ano antes, com a Budweiser liderando o segmento no Brasil. No mesmo período, a receita líquida consolidada da companhia subiu 3,2%, a R$ 10,4 bilhões.
 
Em teleconferência com analistas e investidores sobre os resultados do segundo trimestre de 2016, Bernardo Paiva considerou que os resultados melhoraram na comparação com o início do ano, mas as marcas de consumo massivo, como Brahma e Skol, ainda sofrem. Na visão dele, o cenário macroeconômico no Brasil ainda tem exercido pressão sobre a renda disponível e isso afeta diretamente essas marcas de maior volume em vendas.
 
A gigante global das bebidas teve lucro líquido de R$ 2,2 bilhões no segundo trimestre, queda de 22,4% contra igual período de 2015, devido puxado principalmente pelas quedas nas vendas em volume.
 
No relatório de resultados, a empresa reduziu sua expectativa para este a ano e agora prevê que a receita líquida fique estável em relação ao ano anterior, quando atingiu um montante de R$ 46,7 bilhões. "Não estamos satisfeitos com a velocidade de nossa recuperação, e tampouco com os resultados alcançados no primeiro semestre", ressalta.
 
Ao considerar o mercado brasileiro total, a Mintel estima que as vendas de cervejas atinjam R$ 89 bilhões neste ano.
 
Para a consultoria, até 2021, as vendas de cervejas terá crescimento de 42%, levando em conta a projeção para 2016. Tais valores devem ser atingidos em parte graças à tendência das cervejas premium, mas também terão influência do aumento de impostos.
 
Veículo: DCI

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

26/05/2020 15:10 - Ambev faz parceria para vender Biscoito Globo
18/05/2020 16:17 - Isolamento dobra venda de bebidas alcoólicas pela internet
14/05/2020 16:36 - De cerveja a drinques: as lives dedicadas ao mundo das bebidas
07/05/2020 15:09 - Lucro da Ambev desaba 56% no 1° tri com impacto de Covid-19, despesas financeiras
07/05/2020 15:07 - AB InBev tem prejuízo no 1° trimestre, mas aponta sinais positivos na China e EUA
23/04/2020 11:04 - Vendas da Coca-Cola caem 25% com impacto no “out-of-home”
22/04/2020 10:37 - Covid-19 faz lucro da Heineken cair quase 70% no 1° trimestre
07/04/2020 10:56 - Cai em 52% venda de bebidas alcoólicas no Brasil, confirma Abrabe
03/04/2020 11:56 - Fabricação de bebidas alcoólicas cresce 5,9% antes da crise do coronavírus
24/03/2020 11:49 - Ambev desiste de projeções de desempenho para 2020
18/03/2020 17:03 - Ambev produzirá álcool em gel para doar a hospitais públicos
12/03/2020 11:17 - Vinho importado pode ficar até 10% mais caro em abril
11/03/2020 11:18 - Brand Factory, da Pernod Ricard, quer transformar as bebidas no Brasil
10/03/2020 11:07 - Itaipava lança a sua Puro Malte
10/03/2020 11:04 - Heineken investirá R$ 865 milhões em cervejaria no Paraná

Veja mais >>>