Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 









Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

19/08/2009 12:32 - Frio e vírus desaceleram ritmo do Makro em julho

Os temores com a gripe suína, transmitida pelo vírus H1N1, tem levado as pessoas a evitar locais fechados, como shopping centers, lojas, restaurantes e hotéis, e preocupam executivos de setores ligados ao comércio.

 

Os efeitos sobre as vendas, contudo, têm sido moderados e alguns segmentos estão sentindo mais o impacto. Na Marisa, rede de lojas de vestuário, o efeito foi marginal por enquanto. Mas no Makro, maior rede de lojas de atacado do país, as vendas foram mais fracas em julho se comparadas ao mês anterior. Em agosto, já há sinais de recuperação.

 

"Julho foi um mês atípico, que foi afetado tanto pelo frio quanto pela gripe", afirma Rubens Baptista, presidente do Makro no Brasil. Grande parte dos clientes da cadeia atacadista é composta por donos de restaurantes, lanchonetes e hotéis. Ainda assim, diz o executivo, em nenhum momento a empresa registrou queda nas vendas. O que houve foi uma desaceleração nas taxas de crescimento.

 

Entre janeiro e junho, as vendas nas mesmas lojas (em uma base comparável) cresceram entre 7% e 8% sobre igual período de 2008. Em julho, esse percentual foi de 5%. Em agosto, o Makro já detecta uma reação do consumo e prevê que as vendas nas mesmas lojas voltem a crescer em torno de 8%.

 

Segundo Baptista, as expectativas são de que o segundo semestre seja melhor do que os primeiros seis meses do ano. Mas o Makro mantém a previsão de elevar em um dígito apenas as vendas nas mesmas lojas existentes em 2008. Antes da crise, quando havia a expectativa de que o PIB pudesse crescer 3,5% em 2009, a rede atacadista chegou a prever uma taxa de dois dígitos de aumento nas vendas.

 

Um dos problemas enfrentados pelo setor neste ano é a forte queda nos preços de alimentos básicos, como feijão, arroz e óleo de soja. Para manter o faturamento nos mesmos patamares do ano passado, as lojas precisam vender volumes muito maiores.
 


Veículo: Valor Econômico

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

25/11/2020 18:25 - Padrão GS1 de identificação de produtos garante a satisfação do consumidor na Black Friday
25/11/2020 16:06 - Varejistas aceleram investimentos em logística e aplicativos
24/11/2020 15:45 - Super e hipermercados devem somar 14 mil vagas temporárias para o Natal
23/11/2020 18:26 - Leonardo Miguel Severini toma posse como novo presidente da ABAD
20/11/2020 17:40 - Serviços de delivery crescem no Brasil e auxiliam recuperação de restaurantes e canais de alimentação
20/11/2020 15:29 - Ovos: mercado continua apresentando equilíbrio entre disponibilidade e demanda
19/11/2020 15:31 - Unilever quer faturar US$ 1 bilhão em vendas de proteínas alternativas
13/11/2020 16:39 - Programas de fidelização estimulam consumo, diz pesquisa
10/11/2020 15:25 - IBGE prevê safra de 253,2 milhões para o próximo ano
05/11/2020 18:16 - Parceria entre Abrasel e Sebrae qualifica mais de 8 mil profissionais
05/11/2020 15:43 - Tendências de compras para os bens de consumo massivo
29/10/2020 15:15 - Sete em cada dez pessoas mudaram padrões de consumo por causa da pandemia
28/10/2020 14:53 - Pandemia acelera tendências e Kantar apresenta as principais oportunidades para o mercado de FMCG
27/10/2020 15:10 - 72% mudaram padrão de consumo por causa da pandemia, diz FecomercioSP
23/10/2020 14:38 - Nestlé eleva projeção de crescimento de vendas

Veja mais >>>