Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Marketing

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Marketing

06/06/2016 12:14 - Marca nacional ganha força no licenciamento

Para brigar com produtoras internacionais, como Disney e Warner, companhias brasileiras remodelam seus personagens e investem na divulgação por plataformas digitais

 



Os personagens infantis brasileiros começam a ganhar espaço no mercado de licenciamento de produtos e já ajudam até fábricas nacionais a lucrar mais. Parcerias para produção de conteúdo e divulgação por plataformas digitais impulsionam o sucesso das marcas.

Com êxito até fora do País, um desses exemplos é a Galinha Pintadinha, que com mais de 600 itens licenciados se tornou uma das cem maiores marcas licenciáveis de todo o planeta.

"Alcançamos um nível consolidado no mercado e apesar disso conseguimos manter nossas vendas neste ano em um patamar próximo ao do ano passado. Trabalhamos muito bem com a divulgação da personagem, que tem uma dos principais canais infantis do YouTube, atualmente", diz o gerente da Bromélia Produções, Miguel Moreira. A empresa é a responsável pela criação e administração de todo o conteúdo da Galinha Pintadinha em todos os canais de distribuição.

Mencionado por Moreira, o canal da personagem infantil na internet já ultrapassou a marca de 2 bilhões de visualizações.

"Para manter esse crescimento e chegar a um número ainda maior de lares, nós estamos trabalhando na dublagem da personagem para idiomas estrangeiros como espanhol, italiano, japonês e chinês. Na América Latina, o desenho está disponível no Netflix", conta o gerente.

Exceto pelas vendas fora do País, a companhia espera manter o nível de vendas alcançado no ano passado. A previsão, no entanto, não foi divulgada. Para concorrer com personagens conhecidos mundialmente, como os da Disney o Instituto Ayrton Senna decidiu remodelar o desenho do Senninha, inspirado no piloto, morto em 1994. A estratégia será muito parecida à utilizada pela Bromélia Produções, detentora da Galinha Pintadinha.

"Por ser uma ONG e não uma produtora, tínhamos uma dificuldade para produzir conteúdo e deixar o Senninha ainda mais conhecido. Fechamos, então, uma parceria com a Endemol. Esse acordo vai levar o Senninha a um outro patamar, com a criação de uma série de desenhos e uma divulgação ainda maior", explica o gerente executivo do Núcleo Senninha do Instituto Ayrton Senna, Mauro Ratto.

Para acompanhar o conteúdo de 26 episódios que passará na TV, a marca desenvolveu, em parceria com a Play, uma estratégia de divulgação digital através de um canal no YouTube.

"Nosso plano é fazer a marca Senninha crescer, ao menos, vinte vezes nos próximos cinco anos. Isso também será possível graças ao modelo financeiro que a marca contempla", afirma Ratto.

Parte das vendas dos produtos Senninha, segundo ele, são direcionadas ao instituto, que anualmente é responsável pela educação de mais de 1,8 milhão de crianças em todo o Brasil.

Após a remodelação, a marca Senninha está presente em cerca de 70 produtos. Um dos objetivos do instituto é ampliar esse número para algo em torno de 300.

De acordo com a Associação Brasileira de Licenciamento (Abral), a venda de produtos licenciados no Brasil movimentou R$ 17 bilhões no ano passado.

A expectativa da entidade é aumentar esse montante em, ao menos, 5% neste ano. "Os produtos licenciados costumam ter uma venda 30% maior que os que não possuem marca ou personagem vinculados. O momento é bastante oportuno para o País, principalmente pelo fato de que somos muito criativos, principalmente em horas difíceis como esta", diz a presidente da Abral, Marici Ferreira.

Para ela, os personagens tupiniquins estão caindo cada vez mais no gosto de crianças brasileiras e até estrangeiras. "Concorrer com a Disney é muito difícil. Mas nossas marcas estão se desenvolvendo e estão sabendo aproveitar as oportunidades", conta.

Indústria


Para as fabricantes de brinquedos, uma das maiores vantagens em se licenciar marcas nacionais é a moeda, visto que o dólar se valorizou de forma bastante contundente frente ao real nos últimos anos.

"Independente da nacionalidade, gostamos de trabalhar com personagens fortes, que estão fazendo sucesso ou consolidados no mercado. O fator do dólar mais alto não chega a impactar já que a fabricação dos brinquedos, que geralmente é feita fora do Brasil", explica a diretora de marketing da Sunny Brinquedos, Sharon Czitrom.

Talvez por isso, a empresa anunciou que planeja investir na produção de pelúcias por aqui, e com isso aumentar suas vendas em, ao menos, 20%.

Atualmente, a Sunny comercializa 16 itens licenciados e planeja faturar entre 8% e 10% mais este ano frente a 2015.



Veículo: DCI

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

12/11/2018 12:26 - Hikari leva consumidores no cruzeiro dos sonhos
23/08/2018 10:42 - Viva Bem chega ao mercado com três opções de chás prontos
26/06/2018 19:20 - Nesfit se reposiciona globalmente com foco em energia nutritiva
18/04/2018 09:03 - Fátima Bernardes estrela campanha para o Extra
17/04/2018 19:47 - Chamyto® lança promoção compre e ganhe para incentivar o lado genial das crianças
29/03/2018 16:23 - Piracanjuba estreia campanha nacional valorizando os diferentes momentos em família
22/02/2018 19:46 - Piracanjuba é destaque na Pesquisa Líderes de Vendas da ABRAS/SuperHiper
16/01/2018 15:16 - Coqueiro aposta em tecnologia e tom bem-humorado para a Quaresma 2018
18/12/2017 12:55 - MOÇA® lança campanha "Tudo que pode dar certo vai dar certo"
12/12/2017 16:21 - Piracanjuba recebe Prêmio Líderes do Brasil, Estado de Goiás

Veja mais >>>