Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Sustentabilidade

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Sustentabilidade

16/07/2019 12:28 - Será o fim das sacolinhas plásticas?

O uso de sacolinhas plásticas está proibido desde 26 de junho, nos comércios do Rio de Janeiro. A proibição foi determinada pela Lei Estadual 8.006/2018 (que substituiu a Lei 5.505/2009). Portanto vale para todo o estado do Rio de Janeiro.

 

A lei proíbe distribuição gratuita ou venda das sacolinhas plásticas brancas. Determina a sua substituição por modelos reutilizáveis confeccionadas com mais de 51% de material proveniente de fontes renováveis. Elas devem ter as cores verde – para resíduos recicláveis – e cinza – para outros rejeitos. Essa distinção visa auxiliar o consumidor na separação dos resíduos e facilitar a identificação para as coletas de lixo. Os comerciantes poderão cobrar dos clientes o preço de custo dessas sacolas reutilizáveis. Atualmente corresponde a R$ 0,08. O supermercado que descumprir a nova regra estará sujeito a multa de até R$ 34 mil.

 

De acordo com a Associação de Supermercados do Rio (Asserj), sacolas reutilizáveis serão ofertadas gratuitamente por seis meses. Porém, esse modelo de sacolas de duas cores não será definitivo. A ideia final é que apenas o modelo de sacolas do tipo reciclável fique à disposição dos consumidores. Essa sacola definitiva vai ser vendida pelos mercados, poderá ser usada várias vezes e não polui o meio ambiente.

 

Uma tendência em todo país

 

Belo Horizonte foi a primeira cidade no país a proibir o uso de sacola plástica em supermercados com a Lei Municipal 9.529/2008. Ela obriga a substituição de embalagens plásticas por embalagens ecológicas. Na cidade de São Paulo a medida já está em vigor desde 2015. A Lei Municipal 15.374 (proibiu a venda ou distribuição gratuita de sacolas plásticas no comércio da cidade) é de 2011. Contudo, só entrou em vigor após questionamentos judiciais. A tendência é que outros estados e cidades editem leis semelhantes.

 

Uma lei municipal também suspendeu o uso de canudos de plástico em bares e restaurantes do Rio. O projeto sancionado pelo prefeito passou a obrigar os estabelecimentos da cidade a usarem canudinhos de papel biodegradável ou de material reciclável. Algumas cidades de São Paulo também já adotaram esta medida restringindo o suo de canudos plásticos.

 

Prós e Contras para os consumidores

 

Como tudo nessa vida, há quem gosta e quem não gosta da novidade. As sacolas plásticas disponibilizadas nos caixas dos mercados e lojas eram de grande praticidade. Ao passar no caixa o cliente levava suas compras embaladas sem custo. Não era necessário carregar nada para o mercado para trazer as compras. Saindo do trabalho ou outro lugar era cômodo passar no mercado comprar um item que estivesse faltando para o jantar. Agora será preciso buscar a sacola retornável em casa. As sacolas plásticas também eram muito práticas para serem usadas nas lixeiras do banheiro e da cozinha. Principalmente porque eram adquiridas sem custo! Mas elas geram um problema ambiental sem tamanho!

 

O tamanho do lixo

 

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, no Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolas plásticas são distribuídas por hora. O Ministério do Meio Ambiente informa em seu site sobre o alto custo ambiental se considerada a sua produção e descarte. Grande parte desse volume de sacolinhas é descartado de forma errada. Acaba indo para a natureza de forma inadequada chegando na matas e oceanos. Além disso entopem bueiros agravando episódios de enchentes e proliferação de lixos e doenças decorrentes desse cenário. São ingeridas por animais que morrem sufocados ou presos nelas. Pouquíssimas são recicladas.

 

As sacolinhas brancas demoram cerca de 450 anos para se decomporem naturalmente no meio ambiente. È preciso cuidar do meio ambiente e preservar as espécies. Quanto a isso não existem dúvidas.

 

Alternativas e novos comportamentos

 

Para transportar as compras já existem as sacolas retornáveis. São vários os modelos disponíveis: de tecido em algodão ou TNT, de fibra de bambu. Algumas até bem “estilosas” e coloridas.

 

Seguro o Ministério do Meio Ambiente, alguns tipos de lixo que não precisam ser ensacados. É o caso dos materiais recicláveis (lixo seco). Eles podem ser separados em caixas de papelão e depositados diretamente em coletores para recicláveis. Também podem ser entregues a catadores e cooperativas de reciclagem. O Ministério ensina ainda que resíduos orgânicos devem ser embalados em papel, jornal ou sacos de bioplástico.

 

Uma dica é utilizar sacolas de papel e papelão nas lixeiras. Aquelas que possuem um fundo em papelão podem ser utilizadas nas lixeiras da cozinha. Com fundo reforçado são capazes de conter melhor os líquidos. Para adaptar as sacolas de formato quadrado basta fazer cortes próximos aos locais das alças e dobrá-los.

 

Quem desejar utilizar sacolas plásticas nas lixeiras, deverá adquiri o produto que já vendido em todo o pais, em geral nas cores azul ou preta.

 

Fonte: Revista Seleções

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

03/12/2019 12:41 - Coca-Cola substitui plástico por papel cartão em multipacks na Europa
27/11/2019 12:47 - Embrapa lança revista da Turma da Mônica sobre consumo sustentável
22/11/2019 15:29 - São Paulo, maior cidade do Brasil, se arma contra os… canudinhos
21/11/2019 13:30 - Comércio de SP recebe bem projeto para proibição de plástico na cidade
21/11/2019 13:26 - Os ensaios em sacolas plásticas
19/11/2019 13:08 - Food in nude: os supermercados da Nova Zelândia que se despediram do plástico
19/11/2019 13:06 - Estudante cria canudos comestíveis
19/11/2019 13:05 - Respondendo a demanda por mais alimentos, carnes sintéticas ganham mercados
18/11/2019 12:49 - Mais sustentável: primeira carne “à base de ar” é criada no mundo
14/11/2019 17:17 - Pesquisa mostra que consumidor busca por embalagens sustentáveis

Veja mais >>>