Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Sustentabilidade

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Sustentabilidade

25/08/2015 10:50 - Supermercados de Minas descartam 450 mil quilos de alimentos todos os meses

Quantidade de hortifrutigranjeiros que é jogada fora daria para fazer a merenda de 60 mil alunos da rede pública de BH durante três semanas


Pilhas de hortaliças têm a lixeira como destino diariamente em supermercados e sacolões de todo o país. Na França, já há legislação que prevê multa para estabelecimentos que destroem alimentos

Todos os meses são jogados no lixo pelos supermercados de Minas Gerais cerca de 450 mil quilos de hortifrutigranjeiros que perderam o seu valor comercial. Esse volume, calculado pelo principal distribuidor de alimentos para a rede varejista no estado, é suficiente para alimentar durante três semanas todos os 60 mil alunos da rede pública da educação de Belo Horizonte. Dados da Associação Mineira dos Supermercados (Amis) também apontam o impressionante desperdício em Minas: considerando supermercados e sacolões, são perdidos por ano R$ 750 milhões em alimentos.

No Brasil, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o desperdício alimentício, tanto das empresas quanto dos consumidores, chegue a R$ 13 bilhões por ano. São 26,3 milhões de toneladas de comida jogadas fora no país, quantidade que daria para distribuir 131,5 quilos para cada brasileiro. Entre o que vai para a lixeira e o que poderia matar a fome de muitos, estão iniciativas que começaram nos países de primeiro mundo. Em meados de maio, a França aprovou uma nova lei que proíbe grandes supermercados de destruir alimentos não vendidos sob ameaça de multas e até mesmo prisões. Por aqui, a preocupação só aumenta, principalmente diante da retração da economia, que faz consumidores comprarem menos e a sobra aumentar nos estabelecimentos.

“A medida francesa está se expandindo pelo mundo. Mas lá, como os recursos naturais são escassos, há uma maior conscientização. Aqui, talvez demore um pouco”, comenta Adilson Rodrigues, superintendente da Amis. Segundo ele, em época de redução de consumo, o correto é a adequação dos estabelecimentos, porque, sem as compras, muitos produtos perdem a validade ainda na prateleira. Sobre o desperdício, ele diz que, em Minas, perde-se em alimentos 2,5% do faturamento total das redes supermercadistas. “Este ano, por exemplo, os supermercados vão faturar cerca de R$ 30 bilhões e as perdas devem ser de R$ 750 milhões.”

Diante do cenário, a Amis vem conversando com o Procon mineiro para, segundo Adilson, evoluir neste assunto. “É um problema grave. Há uma média nacional de 1,7% do faturamento em perdas, mas estamos acima disso”, alerta. A gravidade é notada também pelo proprietário da Denaff, Laerte Gestich, que faz trabalhos de distribuição de hortifrutigranjeiros há 27 anos para quase todos os supermercados em Minas. “Nada se aproveita depois que vai para a gôndola. Um tomate com problema ou que não esteja bonito, vai para o lixo. Não recolhemos para aproveitamento porque o alimento, como é jogado fora junto com outros itens, pode se contaminar e não podemos, assim, nem doar”, destaca.

Consumo rápido

Para se ter ideia, de acordo com Laerte, a alface que chega aos supermercados pela manhã tem que ser consumida ainda nesse turno. Ele diz que a média das perdas é de 8% do que foi entregue. “O bom é não ultrapassarmos esse índice, porém, muitas vezes, ele chega a 15%.” Para que isso se torne menos frequente, uma das estratégias de alguns estabelecimentos, segundo comenta Laerte, é levar um produto com qualidade visual inferior a lojas periféricas, onde, geralmente, é mais consumido. “Se o tomate tem um ‘machucado’, ele não é comprado pelo consumidor da Zona Sul. Não podemos brincar de perder”, diz.
Diretor de marketing de uma rede de supermercados de BH, Rodrigo Gosende reconhece a dificuldade de evitar perdas, especialmente na seção de hortifrutigranjeiros. “Temos um departamento de controle para poder comprar menos e sobrar menos, mas a perda está bem acima do que gostaríamos”, comenta. Segundo Rodrigo, o consumidor, por exemplo, não compra uma banana que esteja fora da penca.

A auxiliar de serviços gerais do Supermercado Paranaíba, Marilene Rosa da Silva, confirma o inevitável desperdício e diz que joga fora, diariamente, cerca de seis bacias de hortaliças e frutas, com cinco litros cada uma.
Para a consumidora Orlanda Resende Ribeiro, de 78 anos, os números assustam. “Tanta gente com fome no mundo, e temos esse desperdício. Lá em casa, não desperdiçamos nada. A minha comadre tinha o hábito de ir ao Ceasa e pegar tudo que sobrava por lá. É o correto”, diz, confessando, no entanto, que uma banana fora da penca não vai para o seu carrinho de compras. “Ela amadurece rápido, por isso, não levo”, revela.

Número ruim 30%é a perda de alimentos no Brasil na pós-colheita. Para hortaliças, o índice é maior, de 35%. O país está entre os 10 campeões de desperdício nesse quesito, segundo a ONU.


Veículo: Jornal Estado de Minas


Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

18/10/2019 11:59 - Cerveja Carlsberg lança primeira garrafa de papel do mundo
17/10/2019 11:48 - Uso de canudo pode gerar multa de até R$ 5,3 mil
17/10/2019 11:45 - Consumo consciente ainda é desafio para brasileiros
15/10/2019 12:05 - Unilever vai reduzir uso de embalagens plásticas
15/10/2019 12:05 - Estabelecimentos comerciais do Pará tem prazo para parar de usar sacolas plásticas
14/10/2019 16:42 - Plastivida e Pão de Açúcar lançam Projeto de Reciclagem do Isopor®
14/10/2019 12:07 - Consumidor do varejo busca por marcas sustentáveis
10/10/2019 11:40 - Sustentabilidade é a terceira principal preocupação do consumidor, diz estudo
09/10/2019 17:09 - Coca-Cola produz primeiras garrafas com plástico retirado dos oceanos
09/10/2019 11:50 - Sustentabilidade: empresas se engajam no combate as mudanças climáticas

Veja mais >>>