Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Sustentabilidade

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Sustentabilidade

26/05/2015 12:13 - A luta para combater o desperdício de alimentos

Favela Orgânica e Banco de Alimentos são iniciativas que tentam diminuir o problema da fome e das perdas de produtos que ocorrem em todo o mundo

 



Cerca de 1,3 bilhão toneladas de alimentos são perdidas por ano num prejuízo em torno de U$$ 750 bilhões em todo o mundo, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Para tentar minimizar um pouco essas perdas, a economista Luciana Quintão resolveu criar, em 1998, o Banco de Alimentos

A organização não-governamental (ONG) tenta criar, com isso, uma ponte entre onde sobra e onde há carências. "A ideia central do projeto é buscar onde tem sobra e fazer a doação para onde faltam alimentos", explica a coordenadora de nutrição do projeto, Camila Kneip.

A proposta central da iniciativa paulistana é permitir que um número maior de pessoas tenham acesso a alimentos básicos e de qualidade. Os alimentos distribuídos são excedentes de comercializações, que estão perfeitos para o consumo, sendo que a distribuição possibilita a complementação alimentar diária de indivíduos assistidos pelas 42 instituições cadastradas no projeto, que assistem a mais de 21 mil pessoas.

De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), no Brasil, cerca de 26,3 milhões de toneladas de alimentos são jogados no lixo anualmente. "O desperdício acontece em todas as etapas de produção. Quando a discussão é pautada por classes sociais, todos os indivíduos realizam perdas", diz.

Segundo Camila, os alimentos doados podem ser in natura ou industrializados. "O alimento pronto não pode ser doado para a entidade, por conta de normas da Anvisa. Podemos aceitar a doação de estoques próximo da data de vencimento."

A entidade trabalha em três vertentes. A primeira visa minimizar os efeitos da fome e combater o desperdício de alimentos por meio da colheita urbana. A segunda se concentra em ações educacionais e profissionais voltadas às comunidades atendidas, em convênio com faculdades de nutrição. Já a terceira leva ações e conhecimento à sociedade como um todo, com intuito de promover uma mudança social ao incentivar o fim da cultura do desperdício e o exercício pleno da cidadania consciente.

"Um trabalho que teve suas dificuldades no início, mas com o tempo contamos com o marketing do boca a boca", relembra a coordenadora.

Ela confirma que hoje, cerca de 50 empresas já compõem a "rede de solidariedade" em torno da entidade, como Habib's, Wickbold, Nestlé, Tok Take Alimentação, entre outras companhias.

"Nossa expectativa é que o projeto se torne cada vez mais autossustentável e que nossa missão de combater a fome seja cumprida", conclui.

Empreendedor social


Criado no segundo semestre de 2011, pela chef paraibana, Regina Tchelly, o projeto Favela Orgânica destaca o trabalho do aproveitamento integral de alimentos com visão de reeducar o consumidor na questão da alimentação. "Logo que cheguei ao Rio de Janeiro fui trabalhar como empregada doméstica e via nas feiras livres e na minha própria comunidade a grande quantidade de alimentos sendo desperdiçada. E lá na Paraíba a cultura é aproveitar o máximo que a gente puder do alimento", frisa a chef que iniciou o projeto nas comunidades da Babilônia e do Chapéu Mangueira, na zona sul do Rio de Janeiro.

De acordo com a profissional, a questão de desperdício no País é uma realidade fora do normal. "No passado as pessoas faziam um melhor aproveitamento daquilo que compravam. Hoje, a questão de falta de tempo e o modelo industrializado fazem com que as perdas sejam elevadas", diz.

A resposta negativa de possível investidor do projeto serviu como o ingrediente que faltava ao trabalho de empreendedora sustentável da profissional, que apostou seus R$ 140 na iniciativa. "Na época queria mostrar o que eu aprendi e sabia o quanto seria importante ensinar as pessoas a refletirem sobre a questão", relembra. Ela comenta que mais de 25 mil pessoas foram atendidas pelo projeto, que deixou a comunidade carioca para ser discutido em outros estados brasileiros e até em outras cidades do mundo.

Para o futuro, Regina espera concretizar o espaço de 10 hortas comunitárias e o início do trabalho com o público da terceira idade e com as crianças especiais. "Nossa meta é a criação de uma escola de educação alimentar, com base no ciclo do alimento, que envolve desde a plantação ao consumidor final. Espero que um dia as escolas trabalhem com este tema, pois a questão do desperdício precisa ser discutida na educação de base, pois o futuro precisa se discutido no presente", conclui a chef.




Veículo: DCI

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

18/10/2019 11:59 - Cerveja Carlsberg lança primeira garrafa de papel do mundo
17/10/2019 11:48 - Uso de canudo pode gerar multa de até R$ 5,3 mil
17/10/2019 11:45 - Consumo consciente ainda é desafio para brasileiros
15/10/2019 12:05 - Unilever vai reduzir uso de embalagens plásticas
15/10/2019 12:05 - Estabelecimentos comerciais do Pará tem prazo para parar de usar sacolas plásticas
14/10/2019 16:42 - Plastivida e Pão de Açúcar lançam Projeto de Reciclagem do Isopor®
14/10/2019 12:07 - Consumidor do varejo busca por marcas sustentáveis
10/10/2019 11:40 - Sustentabilidade é a terceira principal preocupação do consumidor, diz estudo
09/10/2019 17:09 - Coca-Cola produz primeiras garrafas com plástico retirado dos oceanos
09/10/2019 11:50 - Sustentabilidade: empresas se engajam no combate as mudanças climáticas

Veja mais >>>