Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Notícias Abras

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Notícias Abras

11/10/2019 11:21 - Rastreabilidade: produção e consumo responsável de alimentos

 

O sistema de rastreabilidade de vegetais frescos (frutas, verduras, legumes, raízes, tubérculos e hortaliças vendidos in natura) entrou em vigor no Brasil em 8 de agosto deste ano, dando maior transparência aos processos de produção e logística dos produtos agropecuários. A Instrução Normativa Conjunta nº 2 (INC2) do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde), de 8 de fevereiro de 2018, será aplicada em todo o território nacional, de forma gradativa e por grupos de alimentos, até agosto de 2021. O objetivo a normativa é o monitoramento e controle dos resíduos de agrotóxicos. Assim, o consumidor terá o conhecimento da origem dos produtos consumidos.

 

Em resumo, a rastreabilidade é saber: Quem produziu? O quê? Quando? Como? E para quem vendeu? Contribuindo para a identificação do produtor caso ocorra a identificação de produtos com resíduos de agrotóxicos proibidos ou acima dos limites máximos permitidos pela legislação. É uma forma de aumentar a segurança alimentar no Brasil, garantindo alimentação saudável à população. Outros países da Ásia, Estados Unidos e Europa já possuem sistemas de rastreamento de vegetais in natura.

 

Apesar da legislação nacional, há cinco anos o Paraná trabalha no desenvolvimento de processos de rastreamento da cadeia produtiva de vegetais frescos, desde a vigência da resolução 748/2014 sobre a rotulagem de alimentos. Ou seja, os agricultores já fazem a identificação dos seus produtos (informam o produto, nome, endereço, CPF, CNPJ e Inscrição Estadual ou CAD/PRO, peso ou quantidade, número do lote). Mas a INC2 exige também um Caderno de Campo com informações dos agrotóxicos utilizados para tratar as pragas das culturas, que deve ser implementado e desenvolvido.

 

De acordo com a Engenheira Agrônoma Elisangeles Baptista de Souza, assessora técnica do Sistema Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), a implementação da rastreabilidade representa um avanço para investigar causas e origens de irregularidades, como do uso de agrotóxicos, e contribui para transparência na comercialização de frutas e hortaliças com conhecimento da origem. A divulgação dos resultados dos programas de monitoramento de defensivos acaba criminalizando o produto e todos que o produzem.

 

No caso dos grandes produtores paranaenses de vegetais frescos, muitos se adequaram às medidas de rastreabilidade por exigência de fornecedores como o Carrefour, Angeloni e Pão de Açúcar. A Frutas Tomita Itimura, indústria localizada em Cornélio Procópio-PR, implantou o sistema de rastreabilidade em 2011 por meio de um aplicativo criado pela PariPassu (startup de Florianópolis-SC que desenvolveu um software para produtores de frutas e hortaliças). Segundo o produtor rural Guilherme Itimura, quando entrou em vigência a legislação paranaense da rotulagem, a empresa já estava bem adiantada. “Era o nosso diferencial. Agora eu sinto que a exigência está cada vez maior. Na época, fizemos muitos investimentos. Hoje ainda temos a mensalidade do programa utilizado, mais o custo da equipe que acompanha os processos”, ressalta.

 

O app Conecta da PariPassu foi criado em 2005, como ferramenta de rastreamento de frutas, legumes e verduras. Em 2018, 1,2 milhão de toneladas de alimentos foram rastreados pelo sistema, 20% a mais do que era realizado antes da normativa brasileira.

 

Pelas legislações estadual e nacional, a identificação dos vegetais in natura deve ser feita no Brasil por etiquetas manuscritas ou impressas com caracteres alfanuméricos, código de barras, QR Code ou qualquer outro sistema de monitoramento dos alimentos. Porém, apesar de ser uma tecnologia considerada importante no mundo atual, o QR Code não é obrigatório e não substitui a rotulagem. A ferramenta é apenas um complemento no repasse das informações dos produtos alimentícios.

 

Produção e consumo responsável

 

A produção de alimentos passa por diversas transformações em todo o mundo porque o consumidor está cada vez mais exigente, diz o gerente da Regional Maringá do Crea-PR, Engenheiro Civil Hélio Xavier da Silva Filho. Ele destaca que atualmente são 15.561 engenheiros agrônomos habilitados no Conselho de Engenharia e Agronomia do Paraná que poderão atuar neste processo de rastreamento de alimentos. É que o Engenheiro Agrônomo desempenha um papel fundamental, pois assiste a cultura, monitora pragas e doenças e seus níveis de incidência, decide pelo momento correto do uso e prescreve na receita agronômica o defensivo agrícola correto para controle.

 

A Engenheira Agrônoma, Rosane Scapin, complementa ainda que o profissional tem a responsabilidade não só de aplicar as práticas agrícolas de plantio, mas também de conhecer sobre o produto usado e inclusive sobre período de carência dos agroquímicos (período necessário entre a aplicação e a data de colheita). Assim, frutas e hortaliças podem ser consumidas in natura com segurança e livres de residuais de produtos químicos, prezando pela saúde da população.

 

Valor agregado

 

Frente às demandas atuais, a Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares) acredita que a proposta de rastreabilidade agrega valor ao produto, contribui e aumenta a segurança e controle de qualidade dos alimentos produzidos.

 

O diretor institucional da Abrafrutas (Associação Brasileira de Exportadores de Frutas e Derivados), Pierre Nicolas Peres, afirmou para a Agência Brasil que as novas medidas eram reivindicação antiga do setor: “Todos ganham com a rastreabilidade, com exceção ao produtor ou comerciante que não trabalha com seriedade”.

 

Em 2012, a Abras (Associação Brasileira de Supermercado) e entidades parceiras apresentaram o RAMA (Programa de Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos) para incentivar as Boas Práticas Agrícolas. O programa propõe a adoção de padrões internacionais de qualidade dos alimentos comercializados. Até 2018, 745 fornecedores, atacadistas, distribuidores e varejistas de 264 municípios e 20 estados do país aderiram à iniciativa. No Paraná, as redes Assaí, Atacadão e Bom Dia são algumas delas.

 

O consumo consciente é tendência mundial, que impulsiona a modernização dos produtores e fornecedores. Dados da Euromonitor International (consultoria de inteligência de mercado focada no consumo), a venda de alimentos e bebidas com apelo politicamente correto movimenta 800 bilhões de dólares ao ano. Para 2020, as receitas desses negócios devem ultrapassar 1 trilhão de dólares.

 

Cases de rastreabilidade no Brasil

 

Desde a década de 1990, o Grupo Carrefour trabalha com o Programa Garantia de Origem. Recentemente, a implantação foi da ferramenta blockchain (tecnologia segura para rastrear alimentos). Com a inovação, o consumidor tem acesso às informações detalhadas das etapas de produção e distribuição da linha de suínos Sabor & Qualidade por QR Code. Atualmente, o rastreamento é de 18 cortes, mas a expectativa é incluir mais quatro produtos na plataforma até o fim do ano.

 

Já o Grupo Pão de Açúcar iniciou Programa Qualidade desde a Origem em 2009, mesmo período em que a Walmart lançou o Programa Qualidade Selecionada Origem Garantida.

 

Como forma de ajudar a indústria alimentícia mundial, a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) criou em 2017 um guia de rastreabilidade para implementação do sistema de segurança dos alimentos produzidos. O documento, baseado em legislações dos EUA e Europa, está disponível no site.

 

Rastreabilidade em outros setores

 

Diversos produtos e indústrias aplicam o conceito da rastreabilidade há anos. Na indústria florestal, selos de sustentabilidade garantem a utilização de madeiras de florestas plantadas em combate ao desmatamento. No setor automobilístico brasileiro, 21 milhões de carros passaram por recalls em 2018 após a identificação de falhas mecânicas, graças ao rastreamento dos processos de produção e logística.

 

Em alguns países da Europa e da Ásia, a rastreabilidade da produção de alguns segmentos é obrigatória. Nos Estados Unidos, o sistema é utilizado há mais de 80 anos. Citamos algumas vantagens em rastrear os produtos:

 

·         Dá transparência na cadeia produtiva

·         Auxilia a gestão e controle do estoque

·         Contribui para a segurança e qualidade do alimento

·         Aumenta o valor agregado ao produto

·         Atende às exigências do mercado e ao Código de Defesa do Consumidor

·         Facilita possíveis recalls

·         Otimiza o controle de qualidade

·         Protege contra falsificações e contrabandos

 

Agro Tecnológico e Inovador

 

Lançada neste mês, a “EXPOINGÁ 2020: Conecta você ao novo agro” terá como foco o emprego na tecnologia na melhora da qualidade e produção com sustentabilidade. Organizada pela SRM (Sociedade Rural de Maringá), a 48ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá irá ocorrer de 7 e 17 de maio do ano que vem. Para a presidente da entidade, Maria Iraclézia de Araújo, a Expoingá 2020 discutirá oportunidades para o agronegócio brasileiro, num país dinâmico e biodiversificado.

 

“Um agro cooperativista, profissionalizado, moderno, que faz uso do desenvolvimento tecnológico, biotecnologia, pesquisas e inovações científicas para produzir mais e com qualidade, entendendo que a natureza é parte vital para que o Brasil possa cumprir a sua missão de garantir o alimento das futuras gerações”, destaca.

 

Fonte: G1 - Paraná 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

04/12/2019 16:09 - Setor supermercadista acumula alta de 3,48%
27/11/2019 20:38 - ABRAS apoia o Grupo BTR-Varese na NRF Retail´s Big Show 2020
27/11/2019 14:31 - ABRAS apoia redução de pena para crimes contra relações de consumo
27/11/2019 13:04 - CCJ aprova redução de pena para crimes contra relações de consumo
25/11/2019 17:31 - Nota ABRAS – Proteína Animal
20/11/2019 20:12 - Integrantes da UNECS reelegem George Pinheiro
19/11/2019 15:26 - Fundação Paulistana e Carrefour lançam curso de qualificação em varejo
18/11/2019 13:05 - Venda de medicamentos em supermercados será um avanço para o Brasil
18/11/2019 13:02 - Jantar do Dia Nacional do Supermercado reúne mais de 500 pessoas em São Paulo
18/11/2019 12:58 - Em noite de festa, Abras comemora o Dia Nacional do Supermercado

Veja mais >>>