Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

05/07/2019 15:41 - Inflação de baixa renda recua em junho, aponta FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Classe 1 (IPC-C1), que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos, caiu 0,07%, ficando 0,33 ponto percentual abaixo de maio, quando o índice registrou taxa de 0,26%. Com esse resultado, o indicador acumula alta de 2,72% no ano e 3,85% nos últimos 12 meses.

 

Já o IPC-BR, que mede a alta de preços para famílias com renda de um a 33 salários mínimos mensais, variou -0,02%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 3,73%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1.

 

Quatro das oito classes de despesa componentes do índice de baixa renda registraram decréscimo em suas taxas de variação:

 

·         Habitação (0,79% para -0,24%)

·         Transportes (0,28% para -0,38%)

·         Saúde e Cuidados Pessoais (0,75% para 0,31%)

·         Despesas Diversas (0,08% para -0,23%).

 

Nestas classes de despesa, o destaque ficou com os itens:

 

·         Tarifa de eletricidade residencial (2,60% para -2,30%)

·         Gasolina (1,69% para -2,67%)

·         Medicamentos em geral (1,63% para -0,01%)

·         Alimentos para animais domésticos (0,16% para -1,36%).

 

Em contrapartida, os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,03% para 0,78%), Alimentação (-0,26% para -0,16%), Vestuário (0,13% para 0,60%) e Comunicação (-0,12% para 0,07%) apresentaram avanço em suas taxas de variação, puxados por:

 

·         Passagem aérea (-7,17% para 22,85%)

·         Hortaliças e legumes (-3,91% para -0,30%)

·         Calçados (-0,05% para 0,58%)

·         Pacotes de telefonia fixa e internet (-0,70% para 0,46%).

 

A principal diferença entre o IPC-C1 e o IBC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final. Como, para famílias mais pobres, Alimentação costuma ter maior relevância dentro do total de despesas, por exemplo, essa classe de despesa tem peso de quase 40% no IPC-C1 contra 27% no IPC-Br. Da mesma forma, Educação tem peso de quase 9% na inflação das famílias que recebem até 33 salários mínimos e de 2,5% para os menos abastados.

 

Suas diferenças, além do peso de cada item ou categoria de despesa, estão também nas cidades pesquisadas. Enquanto o IPC-Br é coletado em sete capitais (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília), o IPC-C1 se limita a levantar preços de Rio, São Paulo, Recife e Salvador. Ambos IPC-Br e IPC-C1 são baseados em coletas do primeiro ao último dia útil de cada mês.

 

Fonte: G1 – Economia

 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

11/10/2019 14:46 - Equipe econômica estuda novo modelo de contrato de trabalho para estimular vagas
11/10/2019 11:29 - Dia das Crianças: brinquedo também pode ser inovação
11/10/2019 11:28 - Brasileiro 'quer gastar mais', diz estudo
11/10/2019 11:25 - Setor de serviços retrai 0,2% em agosto, a 5ª queda no ano
11/10/2019 11:24 - Governo vai dobrar limite de compras em free shops
11/10/2019 11:23 - Setor de serviços do Brasil recua 0,2% em agosto, diz IBGE
10/10/2019 11:37 - Vendas do comércio crescem 0,1% em agosto e setor tem 3ª alta seguida
10/10/2019 11:36 - Inadimplência do consumidor cresce ao menor ritmo em quase dois anos
10/10/2019 11:36 - Taxas de juros voltam a cair em setembro após queda da Selic, aponta Anefac
10/10/2019 11:35 - IGP-M acumula inflação de 3,16% em 12 meses

Veja mais >>>