Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

06/11/2018 12:08 - Inflação em 12 meses deve ter pico no 2º tri de 2019, mas depois convergir à meta, diz BC

O Banco Central afirmou que a inflação acumulada em 12 meses deve se elevar até atingir um pico por volta do segundo trimestre de 2019, recuando então em direção à meta ao longo do próximo ano, conforme ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira.

 

O BC, contudo, não demonstrou preocupação com o esperado avanço de preços na economia, numa indicação de que o movimento não deve levá-lo a subir os juros tão cedo após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial ter reduzido temores de uma alta do dólar sobre o real.

 

“Ajustes de preços relativos parecem ter contribuído para elevar a inflação para níveis compatíveis com as metas em contexto com expectativas ancoradas, o que não deveria constituir risco para a manutenção da inflação nesses níveis após concluídos os referidos ajustes”, disse o BC no documento, assinalando que seguirá acompanhando essa trajetória.

 

No documento, o BC também afirmou que já deveria estar claro que não há relação mecânica entre choques que produzem ajustes de preços relativos e a política monetária, razão pela qual irá excluir esta mensagem a partir da próxima reunião do Copom, “com o entendimento que isso não deveria ser interpretado como mudança de sua forma de condução da política monetária”.

 

Na semana passada, o BC manteve a taxa básica de juros em seu piso histórico de 6,50 por cento ao ano e ponderou que houve alguma melhora em seu balanço de riscos, corroborando apostas no mercado de que não subirá a Selic num horizonte próximo, embora tenha mantido a porta aberta para fazê-lo se houver piora no quadro inflacionário. A mensagem foi repetida na ata nesta terça-feira.

 

Em pesquisa Reuters, 40 de 42 economistas já esperavam que o BC deixasse os juros inalterados, o que ocorreu pela quinta reunião consecutiva do Copom, a primeira após a realização das eleições presidenciais.

 

“Reforçamos nossa projeção de manutenção da atual taxa até ao menos o primeiro trimestre de 2019, quando finalmente serão conhecidos em sua compleição a nova equipe econômica e os planos de governo que podem estimular a economia ao ponto de se necessitar a retirada dos estímulos”, avaliou o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, em nota.

 

Na ata, o BC foi um pouco mais direto sobre o quadro que passou a ver ao assinalar que, em relação ao cenário doméstico, houve diminuição de incertezas, que produziu redução dos prêmios de risco embutidos nos preços de ativos brasileiros.

 

“(Isso) contribuiu para redução do grau de assimetria no balanço de riscos para a inflação. Não obstante essa melhora, os membros do Copom concluíram que os riscos altistas para a inflação seguem com maior peso em seu balanço”, afirmou o BC, em referência ao risco de frustração das expectativas sobre a continuidade de reformas na economia e de deterioração do cenário externo para economias emergentes.

 

Fonte: Reuters

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

21/03/2019 16:08 - Banco Central percebe recuperação do PIB aquém do esperado no Brasil
21/03/2019 16:08 - Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
20/03/2019 15:19 - Vendas recuam 7,9% na primeira quinzena de março, diz ACSP
20/03/2019 15:17 - Indústria paulista tem saldo positivo de 11 mil vagas no 1º bi
20/03/2019 15:17 - Prévia mensal do IGP-M acelera 1,06%
20/03/2019 13:03 - PIB brasileiro cresceu 0,3% de dezembro para janeiro, mostra FGV
19/03/2019 14:57 - Brasil recua em ranking de produção global
19/03/2019 14:55 - IGP-M acelera alta a 1,06% na 2ª prévia de março com pressão maior no atacado e varejo,
19/03/2019 11:56 - Depois da indústria e comércio, serviços encolhem
15/03/2019 14:44 - Setor registra maior número de demissões em janeiro desde 2015

Veja mais >>>