Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

21/11/2017 14:55 - Cachaça: tributação menor deve dobrar formalização

O ano de 2018 começará com uma boa notícia para o setor de cachaça: empresas do segmento poderão aderir ao Simples Nacional, o que deve gerar, em média, redução de 40% nos impostos. Em Minas, segundo o superintendente do Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral do Estado de Minas Gerais (SindBebidas), Cristiano Lamego, o primeiro impacto será sobre a formalidade, que deverá dobrar.

 

Atualmente, segundo ele, a informalidade atinge 90% dos alambiques do Estado. Num segundo momento é aguardado o crescimento da produção.

 

De acordo com Lamego, atualmente há 500 alambiques em Minas registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A expectativa do SindBebidas é que, com a possibilidade de adesão ao Simples, esse número dobre num prazo de três anos. Os alambiques que atuam na informalidade chegam a 4 mil no Estado. “Com certeza, a redução nos impostos vai incentivar partes dos informais a legalizarem seu negócio”, disse.

 

Na avaliação de Lamego, a redução na carga tributária vai permitir que produtores que vivem à margem da lei possam registrar seus produtos e operar de maneira legal. Com isso, aumenta-se o leque de comercialização, o que pode implicar aumento de produção. “Esses produtores poderão passar a negociar com supermercados, o que não acontece com quem está na informalidade”, exemplifica.

 

Ainda de acordo com o superintendente do SindBebidas, o novo regime tributário vai incentivar investimentos no setor, principalmente a médio prazo. Por enquanto não foram verificadas movimentações importantes no mercado.

 

Outro ponto positivo apontado por Lamego é que a medida resulta na melhoria do fluxo de caixa das empresas. “A partir do momento que tem tributação mais adequada, aumenta a competitividade das marcas”, diz.

 

Ele informou que inicialmente o preço para o consumidor não deverá cair. Isso porque o setor vem trabalhando com margens apertadas devido ao período de recessão e à alta carga tributária.

 

Preparação - O principal foco do SindBebidas nesse momento é preparar os produtores para adesão ao Simples. Para isso, o sindicato vem fazendo palestras e treinamentos. De acordo com Lamego, há duas questões primordiais que o empresário tem que saber: se a sua empresa tem os requisitos exigidos para aderir ao Simples e, em caso positivo, se vale a pena aderir ao sistema.

 

A inclusão do setor de cachaças no Simples Nacional ocorreu em outubro do ano passado, com a sanção, pelo presidente Michel Temer, do projeto de lei chamado Crescer sem Medo. As normas passam a vigorar no próximo ano. De acordo com projeção do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibra), a redução de impostos para produtores de cachaça que aderirem ao Simples Nacional pode chegar a 40%. A nova norma vale também para produtores de cerveja, vinho e licores. Só podem aderir ao modelo simplificado empresas que faturem até, no máximo, R$ 4,8 milhões ao ano.

 

Perfil - Lamego, que também é presidente do Conselho Deliberativo do Ibra, informa que quase a totalidade do segmento é composta por empresas de micro e pequeno portes. Ou seja, a medida pode beneficiar a grande maioria dos alambiques. Em Minas há hoje apenas de quatro a cinco empresas consideradas de médio porte.

De acordo com Lamego, Minas concentra hoje 50% dos alambiques registrados junto ao Ministério da Agricultura. No total são  mil alambiques registrados, sendo 500 mineiros.

 

Em termos de volume, o Estado não tem participação tão significativa porque a produção mineira tem características artesanal, realizada em alambiques. São Paulo concentra os maiores volumes, já que tem mais empresas produzindo em coluna, ou seja, com característica industrial e em grande escala. Outros dois importantes estados produtores são Pernambuco e Paraíba.

 

Lamego informou que não há dados sobre a produção efetiva de cachaça em Minas, mas a capacidade de produção é de 200 milhões litros por ano. No Brasil, a capacidade de produção é 1,2 bilhão de litros. Em todo o País, o segmento gera hoje 600 mil empregos diretos e indiretos.

 

O setor produtivo de cachaça saiu do Simples Nacional em 2001. Na avaliação de Lamego, isso ocorreu devido a preconceitos com a bebida. Para ele, a atuação de produtores, que cada vez mais agregam valor ao produto, combate essa situação. Ele ressalta ainda a alta qualidade da cachaça mineira, produto que, segundo ele, pode concorrer em igualdade com qualquer destilado do mundo.

  

Fonte: Diário do Comércio de Minas

 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

21/09/2018 11:12 - Tributos inibem maior produção de cachaça
06/08/2018 11:21 - Versão Coca-Cola café é lançada no Brasil
20/07/2018 10:59 - Certificados os primeiros vinhos brasileiros em boas práticas na produção
28/06/2018 11:31 - Bebidas não alcoólicas têm tendência de nova retração
21/06/2018 10:40 - Franquear é estratégico para a Ambev
21/06/2018 10:34 - Bebidas: Gim ganha espaço no Brasil e consumo salta 66% em um ano
08/06/2018 11:08 - Ambev lança Skol puro malte
30/05/2018 11:36 - A bebida certa (na hora certa)
11/05/2018 11:58 - Heineken compra fatia minoritária na Belize Brewing
10/05/2018 16:23 - Ambev terá desafios em mercado mais disputado

Veja mais >>>