Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

15/10/2015 12:20 - Fusão AB InBev-SABMiller complica relação da Coca com engarrafadoras

A Coca-Cola Co. tem uma decisão dura para tomar em consequência da planejada aquisição da cervejaria SABMiller PLC por sua rival Anheuser-Busch InBev NV por US$ 104,2 bilhões.

A SABMiller é uma engarrafadora importante para a Coca-Cola na atual consolidação que a gigante dos refrigerantes está realizando em suas operações de engarrafamento na África. Mas a belgo-brasileira AB InBev, que deve se tornar a controladora da SABMiller pelo acordo que as duas fecharam nesta semana, é uma importante engarrafadora da PepsiCo Inc. na América Latina.

Além de a Coca e a PepsiCo serem rivais globais, a Coca também é frequemente citada como um dos alvos de aquisições da insaciável AB InBev. O próprio diretor-presidente da Coca, Muhtar Kent, vem alertando executivos nos últimos anos que a 3G Capital Partners LP, cujos fundadores — o trio de brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira — são acionistas controladores da AB InBev, poderia, em algum momento, tentar comprar a Coca-Cola.

A Coca, a AB InBev e a PepsiCo não quiseram comentar ontem sobre como a planejada fusão das produtoras de cervejas poderia afetar os acordos de engarramento e distribuição de refrigerantes.

A Coca, que tem sede em Atlanta, possui cláusulas de mudança de controle que permitiriam que ela recomprasse os ativos de engarrafamento e distribuição da SABMiller ou os vendesse para outra empresa, segundo pessoas a par do assunto.

A Coca colocou muito esforço em seus ativos de engarrafamento da África. Em novembro de 2014, ela fechou um acordo para combinar seus ativos com os da SABMiller e com a firma de investimentos Gutsche Family Investments, de capital fechado, para criar uma joint venture presente em 12 países africanos e responsável por 40% do volume de refrigerantes da Coca no continente.

Ao mesmo tempo, a Coca concordou em vender sua unidade alemã de engarrafamento em agosto e está acelerando a venda de ativos nos Estados Unidos.

Os esforços são parte de uma corrida para se desfazer de fábricas, armazéns e caminhões e consolidar a distribuição em função da desaceleração no crescimento das vendas e das metas de lucros não atingidas, para não se tornar um alvo de aquisição.

“O dilema para a Coca é se ela vai permitir a AB InBev em sua casa?”, disse Carlos Laboy, analista de bebidas do HSBC em Nova York, que que a AB InBev poderia tentar comprar a Coca em três ou quatro anos.

O desempenho do preço da ação da Coca tem sido inferior ao do índice S&P 500 em anos recentes, mas com um valor de mercado de US$ 181 bilhões, a empresa ainda está entre as mais valiosas firmas de capital aberto dos EUA.

O negócio de engarrafamento de refrigerantes na África da Coca com a SABMiller e a Gutsche já foi adiado porque as empresas não conseguiram assegurar aprovações regulatórias do governo da África do Sul. Isso pode criar atrasos adicionais não apenas para a Coca, mas para o meganegócio entre as cervejarias, que será analisado minuciosamente pelo Ministério das Finanças da África do Sul, autoridades antitruste e sindicatos trabalhistas.

Sindicatos representando trabalhadores das operações sul-africanas da SABMiller já estão se preparando para o confronto. O Food and Allied Workers Union, sindicato dos trabalhadores do setor de alimentos, afirmou por meio de um comunicado divulgado ontem que estava “perturbado” pelas notícias da aquisição e prometeu usar seus parceiros internacionais para “se opor a essa transação usando todos os meios e formas disponíveis”.

Com a economia da África do Sul desacelerando e a taxa de desemprego em torno de 25%, em parte devido aos problemas do setor de mineração, de grande importância para o país, qualquer demissão, redução de investimentos ou menor arrecadação obtida com a SABMiller em virtude da consolidação das operações das cervejarias devem ser execradas pelos formuladores de políticas do país, segundo analistas.

A Coca poderia tentar vender os ativos de engarrafamento da SABMiller na África para outro parceiro, mas não está claro para quem. Os ativos poderiam gerar US$ 3 bilhões, segundo algumas estimativas. A SABMiller também engarrafa a Coca em El Salvador e Honduras e é responsável por cerca de 3% do volume global da Coca, segundo a empresa.

Não seria a primeira vez que uma cervejaria engarrafa e distribui produtos da Coca e da Pepsi em diferentes países. A SABMiller é a engarrafadora da Pepsi no Panamá. A Carlsberg A/S e a Heineken NV distribuem a Coca em alguns mercados e a Pepsi em outros, embora não na escala da SABMiller ou da AB InBev.

Ian Shackleton, analista de bebidas da Nomura em Londres, disse que a Coca poderia, acertadamente, ver a AB InBev como um “Cavalo de Troia” depois de a InBev ter fechado um acordo de distribuição nos EUA com a Anheuser-Busch antes de comprar a cervejaria, em 2008, para criar a AB InBev. Mas ele também disse que a Coca estaria relutante em se desfazer das operações de engarrafamento da África, o que poderia provocar uma grande ruptura numa região de crescimento rápido.

“Obviamente não é a situação ideal para eles”, disse Shackleton, que também acredita que a AB InBev poderia tentar comprar a Coca em três ou quatro anos.

Shackleton e outros analistas do setor também veem um cenário em que a Coca concorde em entrar no guarda-chuva da AB InBev, mas apenas se a empresa parar de distribuir a Pepsi. Eles dizem que a AB InBev pode preferir engarrafar a Coca na África do que a Pepsi na América Latina, onde ela já possui uma operação em crescimento de refrigerantes, com marcas como o Guaraná Antarctica.

A AB InBev atualmente engarrafa as bebidas da PepsiCo no Brasil, Argentina, Bolívia, Uruguai, Peru e na República Dominicana. Os acordos de engarrafamento vencem no fim de 2017, mas são automaticamente renovados por outros 10 anos a menos que a AB InBev ou a PepsiCo façam uma notificação escrita antes do fim de 2015 de que querem encerrar a parceria.

As duas empresas também fecharam um acordo de compra conjunta nos EUA em 2009 em vários setores, de tecnologia a viagens. Observadores do setor têm especulado por anos que a AB InBev poderia tentar comprar a PepsiCo em algum momento se a cervejaria decidisse ampliar sua participação no segmento de bebidas não alcoólicas.


Veículo: The Wall Street Journal - Brasil

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

04/10/2019 12:06 - Ministério cria câmara setorial para a cadeia produtiva da cerveja
09/09/2019 11:35 - Marcas premium têm crescido no mercado
07/08/2019 12:27 - Dia Internacional da Cerveja no Super Nosso
10/07/2019 16:56 - Cerveja poderá ter leite e mel em sua composição
10/07/2019 16:47 - ICMS de alimentação e bebidas em bares será de 4% no Rio
08/07/2019 14:52 - Vinhos paulistas se destacam entre os melhores do Brasil
14/06/2019 11:19 - Como está o mercado cervejeiro no Brasil?
11/06/2019 12:16 - Garrafa de cerveja retornável volta a ganhar espaço no mercado Brasileiro
30/05/2019 11:58 - Ministério da Agricultura registra produtores de cachaça e aguardente
21/05/2019 11:30 - Clube de vinhos mira o varejo para crescer 15%

Veja mais >>>