Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Bebidas

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Bebidas

18/12/2014 09:33 - Vinho importado pode custar até 50% mais em 2015 com o avanço do dólar

Sucessivas altas no câmbio da moeda americana apontam cautela do empresariado, que aposta na tradição do Natal e do Réveillon para a elevação da venda da bebida ao longo de dezembro

 



Em meio às sucessivas altas no câmbio do dólar comercial, a expectativa das importadoras de vinhos exige cautela. Se a moeda americana, que foi a R$ 2,72, seguir em tendência de alta, o valor dos rótulos pode subir até 50% em 2015.Para o diretor comercial da PNR Import, Cédric Grelin, a disparada do dólar não trará impacto imediato ao mercado de vinhos, mas sim no futuro. "Algumas importadoras reajustaram os preços que anualmente costumam avançar de 20% a 30%", disse.

Ao longo de 2015, no entanto, o analista prevê impacto maior. "Com o dólar em alta podemos esperar um aumento de no mínimo 20% nos preços no longo prazo."Neste momento de forte flutuação cambial, avalia o analista, vão se destacar as importadoras que mantiveram os estoques e que poderão oferecer preços mais competitivos. "No longo prazo podemos esperar o fechamento de várias importadoras pequenas. Esse movimento deve impulsionar a procura por novas produtoras nacionais, o que acarretará em queda da diversidade da oferta no mercado."

Cautela

"A oscilação cambial é um fator de alta instabilidade no mercado de importados, pois se repassamos o aumento que tivemos, as vendas param até o mercado se acostumar, e aqueles que tiverem muito estoque em euro e dólar mais barato acabaram com seus produtos", pontua o proprietário da importadora Vino & Vinos, Hildebrando Lacerda.

A empresa prevê um dezembro, no mínimo, estável ante o mesmo período de 2014. "As vendas deste ano foram as mais desanimadoras dos últimos três anos. A sucessão de eventos e os feriados prolongados levaram um resultado negativo para o comércio em geral", avalia Hildebrando, que aponta: "as vendas de fim de ano representam 35% do movimento anual". Caso o mercado não responda às expectativas, a previsão do empresário é de perdas entre 3% e 4%.

"Nossa expectativa é positiva após sete meses, onde o período de férias, carnaval e a Copa do Mundo influenciaram para registros negativos. Agora a tendência é de melhora", diz o proprietário da importadora W&W Wine, Wilson Felipe.

Segundo o empresário, o fluxo de final de ano é 100% maior que o visto mensalmente. "As vendas de final de ano atingem 20% do volume anual", frisa Wilson, que mantém o realismo. "O câmbio influência demais quando não se coloca muito definido, mas outro entrave que temos são os altos impostos", completa.

Superotimismo

Para o proprietário da Premium Drinks Brasil, Ruy Belchior, a expectativa é superar os resultados anteriores e finalizar o ano com alta mínima de 250% em vendas, em relação ao ano passado. "A época de festividades aumentam em média 40% as vendas. Acreditamos num crescimento de 60% com a chegada do verão", destaca Ruy, lembrando que, até o início de dezembro as vendas cresceram 200%.

"Temos um pagamento do câmbio antecipado. Não conseguimos calcular um valor final exato, para lucrarmos sobre o produto", finaliza Ruy.

"As vendas de final de ano são cerca de 20% do faturamento total da empresa, sendo incrementadas pela busca dos espumantes", diz a executiva da importadora Barrica Negra, Giovanna Sanguinetti.

No mercado desde 2011, a importadora, que detém a Vinícola Fermasa, em Mendoza, na Argentina, mantém o otimismo. "Desde o início de nossas atividades prevíamos alta de 10%, e em 2014 esperamos atingir mais de 15% de elevação nas vendas", disse.


 

Veículo: DCI

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

23/03/2017 15:24 - Ano começa com alta nas vendas de cerveja
17/03/2017 11:25 - Concorrentes da Heineken vão ao Cade
16/03/2017 11:49 - Exportação de suco recua 16% no acumulado da safra 2016/17
07/03/2017 12:46 - Mercado de cervejas encolhe e eleva pressão sobre as gigantes do setor
20/02/2017 13:19 - ‘Brasil será maior mercado da Heineken’
16/02/2017 10:50 - Heineken, nova dona da Schin, tem queda nas vendas no Brasil em 2016
14/02/2017 13:21 - Heineken compra dona das cervejas Schin e Devassa
14/02/2017 13:20 - Pequenas fábricas de bebidas ficam fora da briga por preços
14/02/2017 13:19 - Setor de refrigerantes perde espaço no País
14/02/2017 10:49 - Estoque físico de suco tem baixa de 32% em 2016

Veja mais >>>