Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

31/10/2018 12:36 - CPFL Paulista estima economia de 38,7 mil MWh com horário de verão


A CPFL Paulista, distribuidora da CPFL Energia que atende 234 cidades do interior paulista, prevê que o horário de verão 2018/2019, que começa à zero hora do dia 4 de novembro, traga economia de 38,7 mil MWh no consumo de energia em sua área de concessão. Esse volume, que representa uma redução de 0,39% do consumo total dos seus 234 municípios, seria suficiente para abastecer 16,1 mil famílias por um ano com um consumo mensal de 200 kWh.

 

Com o início do horário de verão, os relógios devem ser adiantados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e no Distrito Federal. Este ano, o horário terá duração de 105 dias, com o término à zero hora do dia 16 de fevereiro de 2019. Ao melhorar o aproveitamento da luz natural pela população, a iniciativa tem como principal objetivo reduzir o consumo de energia e diminuir a demanda no horário de pico, das 18 às 21 horas.

 

A quantidade de energia economizada na área de concessão da CPFL Paulista durante o horário de verão seria suficiente para atender uma cidade do porte de Bauru, por exemplo, por 15 dias, São José do Rio Preto por 12 dias, Ribeirão Preto por sete dias ou Campinas por quatro dias (veja abaixo a lista com mais exemplos para os munícipios da distribuidora).

 

Em geral, as pessoas chegam em casa a partir das 18 horas, início da noite. Logo, uma das primeiras ações é acender a luz. Na mesma hora, entram em operação a iluminação pública e os luminosos comerciais, por exemplo. No período do horário de verão, as cargas das residências e de iluminação pública passam a operar após às 19 horas, quando o consumo industrial e dos edifícios comerciais começa a cair com o fim do expediente de trabalho.

 

“Ao se deslocar o horário oficial em uma hora, dilui-se por um período maior o momento que esses equipamentos começam a funcionar. Dessa forma, o ganho do horário de verão, além da economia, está em afastar os riscos de sobrecarga no momento que o sistema elétrico atinge o seu pico de consumo”, afirma do diretor de Operações da CPFL Energia, Thiago Guth. No período de pico, há expectativa de uma redução de 2,1% na demanda de energia, o que contribui para reduzir a geração das termelétricas, mais caras e poluentes.

 

Cidade

Quantidade de Dias

Campinas

4

Piracicaba

6

Ribeirão Preto

7

Paulínia

11

Americana

12

São Jose Do Rio Preto

12

Sumaré

13

Bauru

15

São Carlos

15

Araraquara

19

Franca

19

Santa Bárbara D’ Oeste

20

Botucatu

23

Hortolândia

24

Marília

25

Araçatuba

28

Valinhos

28

Matão

30

Amparo

33

Itatiba

33

Nova Odessa

34

Barretos

37

Jaú

42

Sertãozinho

44

Luís Antônio

50

Agudos

51

Bebedouro

54

Birigui

54

Itapira

56

Capivari

58

 

Além dos benefícios para o sistema elétrico, o horário de verão também é uma boa oportunidade para praticar hábitos de vida mais saudáveis. Sair do trabalho com o dia claro é um estímulo para praticar uma caminhada, ir ao parque, andar de bicicleta, curtir a família e realizar outras atividades esportivas e recreativas relacionadas com o verão.

 

Consumo consciente

 

Para ampliar a economia gerada pelo horário de verão, a CPFL Paulista incentiva que seus clientes aproveitem o período para praticar o consumo inteligente de energia no dia-a-dia. Para que isso seja possível, a empresa lista abaixo uma série de dicas para reduzir o consumo, sem comprometer o conforto:

 

Chuveiros elétricos

 

  • Nos dias quentes, colocar o chuveiro na posição "verão" (o consumo será cerca de 30% menor). Em algumas cidades, é possível até desligar o chuveiro;

 

  • Limpar periodicamente os orifícios de saída de água do chuveiro;

 

  • Tomar banhos mais rápidos e desligar a torneira ao se ensaboar;

 

  • Nunca reaproveitar uma resistência queimada. Isso provoca o aumento do consumo e coloca em risco a segurança do usuário;

 

Geladeiras

 

  • Instalar a geladeira em local bem ventilado, desencostada de paredes ou móveis, longe de raios solares e fontes de calor, como fogões e estufas;

 

  • Nunca utilizar a parte traseira da geladeira para secar panos, roupas ou tênis;

 

  • Nunca colocar alimentos quentes na geladeira;

 

  • Não forrar as prateleiras da geladeira (a falta de ar circulando entre as prateleiras exige mais consumo de eletricidade);

 

  • Não deixar a porta da geladeira aberta por muito tempo e não se esquecer de manter as borrachas de vedação da porta em bom estado. Um bom teste é colocar uma folha de papel, fechar a porta da geladeira e tentar retirá-la. Se a folha sair muito fácil, pode ser que a borracha já esteja precisando de manutenção;

 

Iluminação

 

  • Apague a luz ao sair de um ambiente;

 

  • Substitua as lâmpadas incandescentes e fluorescentes para tecnologia LED. Se para iluminar uma cozinha utiliza-se uma lâmpada incandescente de 100 Watts, a substituição por uma modelo a LED pode trazer uma economia de até 80%;

 

Ar-condicionado

 

  • Quando usar o ar-condicionado, o ideal é utilizá-lo da melhor maneira possível, evitando a utilização por longos períodos e com temperaturas muito baixas. A dica é programar a função timer para desligar no começo da manhã e configurar para uma temperatura dos 22º, que mantém o ar numa temperatura agradável e não provoca esforço demasiado nos equipamentos; 

 

  • Priorize a compra de aparelhos de ar-condicionado com a tecnologia inverter, cujos motores são mais eficientes e econômicos;

 

  • Mantenha os filtros do ar limpos também é uma ótima iniciativa de economia, pois assim o motor não se esforçará mais que o ideal;

 

  • Sempre mantenha os ambientes bem arejados. Abrir cortinas e janelas ajuda na ventilação e reduz a necessidade de ar condicionado e ventiladores, além de manter o ar sempre renovado;

 

Dicas Gerais

 

  • Opte pela compra de eletrodomésticos com selo A do Procel, que são mais eficientes no consumo de energia e, por consequência, mais econômicos;

 

  • Desligue a televisão na hora de dormir;

 

  • Evite usar benjamins (item que serve para ligar vários aparelhos a uma só tomada e que a sobrecarrega);

 

  • Acumule roupas para lavar e também para passar. O tempo para aquecer o ferro consumo muita energia. É melhor que isso seja feito menos vezes;

 

  • O ferro elétrico tem regulagem de temperatura. Procure separar as roupas por temperatura que serão passadas, assim pode tornar o uso mais econômico;

 

  • Limpe o filtro da máquina de lavar, com frequência;

 

Histórico no Brasil

 

A edição 2018/2019 do horário de verão terá início no dia 4 de novembro e encerramento no dia 16 de fevereiro. Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), o horário de verão tem como objetivo principal a redução da demanda máxima do Sistema Interligado Nacional no período de ponta, ou seja, quando mais pessoas, empresas e indústrias estão utilizando a energia elétrica. Isso é possível porque a parcela de carga de iluminação passa a ser acionada mais tarde do que normalmente seria, motivada pelo adiantamento do horário.

 

A medida foi adotada pela primeira vez no Brasil em 1931, mas de forma consecutiva, acontece há 28 anos. Os estados que adotam a medida são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Em 8 de dezembro de 2008, foi assinado pelo então presidente Luis Inácio Lula da Silva o decreto de número 6.558, que estabelece os padrões para as futuras horas de verão em parte do território nacional.

 

Sobre a CPFL Energia

 

A CPFL Energia, há 105 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a segunda maior organização empresarial do mundo e a maior companhia de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

 

Com 14% de participação, a CPFL Energia é vice-líder no mercado de distribuição, totalizando cerca de 9,4 milhões de clientes em 679 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 14% na venda para consumidores finais. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

 

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Ao final do primeiro trimestre de 2018, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 3.283 MW.

 

A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da B3 e ADR Nível III na NYSE, além de participar do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3 pelo 13º ano consecutivo. O Grupo também ocupa posição de destaque como um dos maiores investidores brasileiros em arte, cultura e esporte.

 

 

Fonte: Assessoria de Comunica da CPFL Energia

 

 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

16/11/2018 16:59 - Contratação de crédito rural em 2018 já atingiu R$ 64 bilhões
16/11/2018 16:56 - OIA prevê superávit global de açúcar menor diante de queda de produção
14/11/2018 12:01 - Conab inicia pesquisa para levantamento da safra de cana-de-açúcar
14/11/2018 12:01 - Maçã: Negócios são mais volumosos e preços sobem
14/11/2018 12:01 - Arroz: indústria segue retraída e preço, em queda no RS
14/11/2018 12:00 - Ovos: em outubro a pior relação de preço entre granja e varejo
14/11/2018 12:00 - Ovos: mercado calmo e sem alterações
14/11/2018 11:59 - Mercado interno será foco da BRF
14/11/2018 11:59 - 63% dos lojistas de rua farão Black Friday
14/11/2018 11:57 - Novo governo deve apertar crédito e abrir mais espaço a bancos privados

Veja mais >>>