Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Geral

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Geral

07/11/2017 11:17 - Preço do leite recua em Minas Gerais pelo 5º mês consecutivo

Pelo quinto mês consecutivo, os preços do leite em Minas Gerais apresentaram retração. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a queda nos valores pagos pelo leite se deve ao aumento da produção e à demanda enfraquecida. Em outubro, referente à produção entregue em setembro, o pecuarista de Minas Gerais recebeu, em média líquida, R$ 1,03 pelo litro de leite, o que significou retração de 5,63% na comparação mensal. Em relação a outubro de 2016, a queda já chega a 27,9%.

 

Em Minas Gerais, o valor médio bruto praticado em outubro foi de R$ 1,13, preço que ficou 5,69% menor que o verificado em setembro.

 

Na média Brasil, composta pelos estados da Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás, o recuo no valor líquido do leite foi de 7,3% frente ao mês anterior, com o produto negociado a R$ 1,00 por litro.

 

O levantamento feito pelo Cepea mostrou que a captação de leite em Minas Gerais e em outros importantes estados produtores apresentou alta, o que contribuiu para mais um período de retração nos preços pagos aos pecuaristas, uma vez que o mercado consumidor segue retraído em função do menor poder de compra das famílias.

 

Na média Brasil, houve um aumento na captação, de agosto para setembro, de 4,19%. Os pesquisadores do Cepea ressaltam que nos estados do Sul do País, a captação continuou crescente, porém, em menor intensidade frente aos meses anteriores. Em Minas Gerais, o período de safra ainda não ganhou força devido aos baixos volumes de chuvas, levando ao avanço na produção de apenas 3,1%. De julho para agosto o incremento na captação da média Brasil foi de 5%.

 

A zootecnista e analista de mercados da Scot Consultoria, Juliana Pila, explica que, ainda que o aumento da produção de leite tenha sido menor que o verificado nos meses anteriores, a demanda enfraquecida por parte dos consumidores é o principal fator que vem provocando a queda nos preços pagos pelo leite.

 

A queda verificada nos preços, segundo os cálculos da Scot, também ficou menor no período. Na média nacional da Scot, o litro de leite foi negociado a R$ 1,06 por litro, sem frete. Comparando com mês anterior, o recuo foi de 2,5%.

 

“Apesar de ser considerável, a queda nos preços foi menor que a verificada no pagamento anterior, que foi de 3,6%. O principal motivo para a desvalorização dos preços do leite é o consumo, que está bastante fraco. O aumento da produção e o consumo não acompanhando vem pressionando todos os elos da cadeia leiteira. Em outubro, houve uma recuperação dos preços dos lácteos nos supermercados, mas não em função da melhora do consumo. A alta aconteceu porque a indústria vem trabalhando com margens negativas e está tentando recuperar estas perdas. Para o produtor, uma possível recuperação dos preços ainda dependerá do aumento do consumo”, explicou Juliana.

 

Expectativas - Para os próximos meses, as expectativas ainda são incertas e tendem entre uma nova queda e a estabilidade dos valores. Cerca de 48% dos agentes consultados pelo Cepea, que representaram 47,5% do volume de leite amostrado, acreditam que os preços em novembro devem registrar novo recuo. Por outro lado, 43,8% dos colaboradores, que representam 46,2% do volume amostrado, apostam em estabilidade. Somente 8,3% ou 6,3% do total acreditam que o preço pago ao produtor pode subir.

 

A analista de mercados da Scot Consultoria explica que em dezembro e janeiro a tendência é de queda no consumo de leite UHT em função do período de férias e festas de fim de ano. Porém, neste período, a demanda por produtos lácteos de maior valor agregado, como creme de leite, leite condensado e manteiga tende a aumentar.

 

“O consumo de lácteos, principalmente de maior valor agregado, está muito relacionado com poder de compra do consumidor e o momento de crise econômica influencia negativamente no consumo. Por outro lado, alguns indicadores econômicos como a recuperação do Produto Interno Bruto, pagamento do 13º salário e a tendência de aumento das vagas temporárias podem ajudar a elevar o consumo. A expectativa é de melhora dos preços para os produtores no médio e longo prazos”, disse Juliana.  

 

Fonte: Diário do Comércio de Minas

 

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

16/11/2017 11:31 - Marfrig e Minerva ganham espaço no mercado com crise detonada pela JBS
16/11/2017 11:31 - Governo cria comitê do Plano ABC para monitorar redução de emissões de gases estufa na agropecuária
16/11/2017 11:30 - Arroz: Indústria ativa e retração produtora sustentam valores do casca
14/11/2017 12:04 - Confiança do agronegócio cresce 6 pontos no 3º trimestre
10/11/2017 12:13 - Conab confirma estimativa de alta na produção de soja para próxima safra
10/11/2017 12:03 - Produção aumentará 31% em 2018
09/11/2017 11:18 - Importação de leite do Uruguai preocupa
09/11/2017 11:15 - Suíno: demanda melhora, mas preços permanecem estáveis na semana
08/11/2017 10:03 - Usinas brasileiras avaliam planta que opera com cana e milho para ampliar ciclo de produção
08/11/2017 10:02 - JBS adere ao Refis com dívida de aproximadamente R$ 4,2 bi

Veja mais >>>